Meninos não choram? Choram sim e precisam de abraços

4 min


452 shares
Meninos não choram

Você já disse para o seu filho que meninos não choram?

Foi apenas em um dia aqui em casa, mas a frase saiu da boca do meu menino de 3 anos. “Meninos não choram”, ele disse depois de ter ficado chateado com algo.

Imediatamente eu perguntei para ele onde ele tinha ouvido isto. Tinha sido de um coleguinha novo na escola. Conversei com a escola, que pensa como eu, sobre o assunto. Reforcei que não gostaria que isto fosse dito por ninguém ao meu filho porque aqui em casa, meninos choram sim. E tem todo o direito de expressarem seus sentimentos e angústias com lágrimas. Contei pra ele que esta frase não é real e todo mundo chora. Passou.

Quem é que não precisa chorar? Todo mundo chora.

Pesquisas clínicas recentes e um documentário de 2015 estão explorando os perigos e ramificações de dizer a nossos meninos para sufocar seus sentimentos, franzir emoções e abraçar o estereótipo do “homem forte”.

Ao mesmo tempo, especialistas em psicologia, gênero e psiquiatria infantil estão começando a entender que, ao não permitir que os meninos expressem e compreendam seus sentimentos, estamos permitindo que eles se atrasem na vida – e até colocando em risco sua saúde física.

É como se estivéssemos dizendo aos nossos meninos para pisar no freio e no acelerador ao mesmo tempo“, disse Judith V. Jordan, Ph.D., diretor do Instituto de Treinamento Jean Baker Miller no Wellesley University Center for Women. Pioneira em estudos de gênero, dedica grande parte de sua pesquisa à saúde emocional e física de homens e meninos.

“Os meninos têm sentimentos e emoções. Eles precisam de empatia e engajamento. Mas nós lhes dizemos: ‘Não chorem’. Nós estamos enfrentando a neurobiologia de um menino e a necessidade humana de relacionamentos contra uma cultura que diz que os meninos nunca devem mostrar vulnerabilidade “.

Os resultados, segundo ela, são meninos solitários que se tornam homens fechados – sofrendo de ansiedade, depressão e solidão. Os meninos precisam de conforto também.

A solução, dizem os especialistas, começa em casa. “O lar deve ser um lugar de honestidade emocional”, disse o Dr. Anju Hurria, psiquiatra e professor clínico de psiquiatria e comportamento humano na Universidade da Califórnia em Irvine. “Mas muitos meninos recebem mensagens específicas em casa que suas emoções são vergonhosas”.

Os resultados desse ideal “estoico masculino”, diz ela, são meninos que não conseguem expressar seus sentimentos, sofrem de depressão e ansiedade e não têm flexibilidade para se recuperarem depois da dificuldade.

“Os meninos não precisam ser endurecidos”, disse Hurria. “Eles querem os mesmos relacionamentos emocionais que temos com as meninas. Na verdade, eles precisam.

“Os dados mostram que a diferença entre meninos e meninas é muito pequena”, disse Englar-Carlson. “Mas nós dizemos a nossos meninos que mostrar seus sentimentos é vergonhoso.”

Essa vergonha é oculta e poderosa, acredita Englar-Carlson, explicando que o menino ou o homem estóico tem sentimentos, mas não pode expressar esses sentimentos de uma forma saudável, porque eles nunca foram validados.

Os resultados de emoções que não são validadas são miríades. Englar-Carlson disse que os meninos cujos sentimentos não são validados têm dificuldade em controlar suas reações emocionais. “Não é que eles sejam mais agressivos”, disse ele. “Eles simplesmente não conseguem controlar facilmente como eles reagem.”

O problema começa cedo.

“Nossos dados mostram que as diferenças em como os meninos e as meninas são tratados começam muito cedo”, disse Englar-Carlson. “Mesmo que os bebês meninos tendem a ser mais expressivos com suas emoções do que as meninas, não permitimos que esses meninos continuem a expressar essas emoções à medida que crescem”.

Um exemplo disto é quando uma menina cai, rala o joelho e se machuca. Imediatamente recebe consolo, abraços e beijos. Quando acontece o mesmo com um menino, ele geralmente recebe frases do tipo: “não foi nada”, “você é forte”, “meninos não choram”.

Os meninos não são homens pequenos. Eles precisam ser tratados como crianças. Eles precisam de abraços. Eles precisam de conforto. Eles precisam de validação. Eles precisam de conexão.

De acordo com Englar-Carlson, os meninos possuem quatro vezes mais probabilidades de morrer de suicídio do que as meninas e também de serem as vítimas de agressões físicas em casa pelos pais e consequentemente perpetradores da violência doméstica quando adultos. É um ciclo.

Os efeitos negativos de dizer aos nossos meninos “seja homem” não terminam com a adolescência.

Englar-Carlson disse que os homens fazem escolhas de estilo de vida que os colocam em risco de morte precoce. Exemplos incluem não usar cintos de segurança e capacetes de bicicleta, entrar em brigas, não usar protetor solar e não ir ao médico para exames regulares de saúde. Embora ele não faça a conexão direta entre esses comportamentos e o estereótipo do homem robusto e estóico, a correlação é difícil de ignorar.

Segundo Jordan: “Quando nossa saúde emocional sofre, todos os nossos sistemas não funcionam bem. Um homem isolado emocionalmente e estressado possui predisposição para desenvolver hipertensão e doenças cardíacas.”

As meninas também pagam um preço…

Dizer aos meninos “seja homem” pode machucar as meninas também. Definir estreitamente o que significa ser masculino pode limitar a expressão e a individualidade tanto para homens como para mulheres.

“Quando dizemos aos meninos para ‘agir como um homem’, eles pensam que isso significa que eles têm que experimentar tudo com raiva”, disse Englar-Carlson. “Quando os meninos não podem controlar sua raiva e emoções, eles podem se transformar em homens mais propensos a serem agressivos com as mulheres. A pior coisa que você pode fazer é dizer a um menino: ‘Não seja como uma menina'”.

Isso só reforça a noção de que agir de forma feminina, inclusive mostrando emoção, é vergonhoso.

Resolvendo o problema

Não eduque seu menino para ser “resistente com seus sentimentos” e evitar senti-los. Isto cria feridas pelo resto de suas vidas.
Precisamos ajudar nossos filhos a expressar seus sentimentos, serem curiosos, gentis, atenciosos e compassivos, ao mesmo tempo, precisamos ensiná-los a terem segurança para reagir em situações de bullying e agressões sabendo pedir ajudar.

Tornar sua casa e a relação que você tem com seu filho aberta para que ele se expresse emocionalmente sem que ele se sinta envergonhado por isto, ter diálogo e vínculo cria meninos emocionalmente saudáveis.

Tudo começa com o pais e como os pais lidam com as situações que se apresentam durante a jornada de criação.

Fazer da conversa uma parte da rotina diária familiar é tão importante quanto validar os sentimentos  do seu filho depois. O ensine a nomear seus sentimentos para que ele aprenda a distinguir o que esta sentindo e a expressar isto de forma clara.

“Os meninos sangram e os meninos choram como as meninas”, disse Englar-Carlson. Precisamos dar aos meninos tempo e espaço para expressar seus sentimentos. ”

O problema é grande, mas a resposta, segundo os especialistas, é simples: Deixe seus meninos sentirem. Deixe-os explorar. Deixe-os expressar-se. E sim, deixe-os chorar.

Leia também:


Like it? Share with your friends!

452 shares

What's Your Reaction?

Uau Uau
0
Uau
Gostei Gostei
0
Gostei
Amei Amei
0
Amei
Ouwn Ouwn
0
Ouwn

Deixe um Comentário

comments

error: Este conteúdo é protegido pelas leis de direitos autorais, não copie, compartilhe. :)