Hormônios presentes no leite materno: o que são e por que são importantes

6 min


1.5k shares
Hormônios presentes no leite materno

Você já ouviu falar nos hormônios presentes no leite materno e a diferença que fazem na vida do bebê?

Você decidiu amamentar seu bebê e uma série de benefícios te fizeram tomar esta decisão, além de saber o quanto amamentar pode beneficiar seu bebê, agora você vai descobrir que os hormônios presentes no leite materno são únicos e completamente diferentes de qualquer composição de fórmulas infantis.

Estes hormônios no leite materno foram identificados recentemente e as pesquisas ainda estão em andamento, já que o leite materno é um rico objeto de estudos e os cientistas estão o tempo inteiro tentando determinar o que mais podemos encontrar neste alimento natural tão dinâmico e rico que nós mulheres somos capazes de produzir.

Os benefícios destes hormônios presentes no leite materno são conhecidos, no entanto, o conhecimento a respeito deles não é grande o suficiente para que eles sejam recriados em uma fórmula infantil e é por isso que digo que é impossível imitar o leite materno em qualquer outro tipo de leite.

A fórmula infantil é,obviamente, uma alternativa segura para os casos em que o leite materno não pode ser a única ou principal fonte de alimentação do bebê, mas não é uma fonte completa de nutrição, como o leite materno. Com fórmula, sempre haverá algo faltando na composição de nutrientes, anticorpos, enzimas e até mesmo hormônios.

O que são hormônios?

Hormônios são produtos químicos que são liberados em seu sangue de diferentes partes do seu corpo. Eles carregam mensagens para seus órgãos e tecidos para lhes dizer o que seu corpo precisa e o que fazer. Hormônios podem ser encontrados em seu sangue, urina, saliva e leite materno. Os hormônios têm muitas funções. Eles controlam a reprodução, crescimento e desenvolvimento, metabolismo, pressão arterial e outras funções importantes do corpo.

Os hormônios presentes no leite materno

O leite materno contém muitos hormônios. Alguns hormônios são menores com uma estrutura simples para que eles possam se mover mais facilmente no leite materno.

Os níveis dos diferentes hormônios no leite materno não permanecem os mesmos.

Com o passar do tempo, o leite materno terá mais de alguns hormônios e menos de outros. E durante todo o período de amamentação de forma dinâmica o leite materno vai se modificando para atender as necessidades do bebê para cada período de desenvolvimento ou momento de vida.

Alguns dos hormônios encontrados no leite materno:

Prolactina

A prolactina é o hormônio responsável pela produção do leite materno. O colostro, o primeiro leite, tem altas quantidades de prolactina. Mas, após os primeiros dias de amamentação, a quantidade de prolactina desce rapidamente. Depois disso, os níveis de prolactina no leite materno são aproximadamente os mesmos que os níveis de prolactina no sangue.

Hormônios tireoidianos: TSH, T3 e T4

Os hormônios tireoidianos são produzidos pela glândula tireóide. Eles desempenham muitas funções importantes e afetam quase todos os sistemas do corpo. A função mais importante dos hormônios da tireóide é controlar como o corpo quebra o alimento e transformá-lo em energia. Este processo é chamado metabolismo. Mas, hormônios da tireóide também regulam a respiração, a freqüência cardíaca, a digestão e temperatura corporal. E, eles desempenham um papel vital no crescimento e desenvolvimento.

Os níveis de tiroxina (T4) no colostro começam baixos, mas aumentam durante a primeira semana de amamentação.
A tiroxina pode ajudar os intestinos de um recém-nascido a desenvolver e amadurecer. Durante os primeiros meses de vida, os bebês amamentados têm níveis muito mais altos de tiroxina em seu corpo em comparação com bebês alimentados com fórmula.

Pequenas quantidades de triiodotironina (T3) e hormônio estimulador da tireóide (TSH) também foram identificadas no leite materno. Acredita-se que os hormônios tireoidianos no leite materno ajudam a proteger um recém-nascido amamentado do hipotireoidismo. No entanto, não há evidências suficiente para confirmar esta teoria.

Fator de Crescimento Epidérmico (EGF)
O fator de crescimento epidérmico estimula o crescimento celular. Tem muitas funções, mas é especialmente importante para o desenvolvimento e maturação do trato gastrointestinal (GI) ou sistema digestivo de recém-nascidos. O EGF pode ser encontrado no sangue, saliva, líquido amniótico e leite materno.

Logo após o parto, o colostro contém grandes quantidades de fator de crescimento epidérmico. Os níveis então descem rapidamente.

O leite da mãe de prematuros
Mas, se uma mulher tem um parto prematuro, entre 23 e 27 semanas, ela terá níveis muito mais elevados de EGF em seu leite materno para o primeiro mês após o parto.

Ter mais EGF no leite para uma mãe de prematuro é importante porque os bebês nascidos nesta fase têm uma maior chance de desenvolver problemas como enterocolite necrotizante (NEC). Os níveis mais elevados de EGF podem ajudar a prevenir este tipo de problema intestinal grave. Lembra do leite materno ser um alimento dinâmico? Então, o leite de uma mãe de prematuro se adapta para o seu tipo de recém-nascido e se dinamiza para produzir tudo o que o bebê precisará nesta fase. Sensacional!

Outros fatores promotores do crescimento, incluindo os factores I, II e III de crescimento do leite humano (HMGF) e o fator de crescimento semelhante à insulina (IGF-I) foram também identificados no leite materno humano.

Beta-endorfinas

Os hormônios de endorfina são os analgésicos naturais do corpo. Acredita-se que as beta-endorfinas encontradas no leite materno ajudam os recém-nascidos a lidar com o estresse do parto e se adaptam à vida fora do útero. Existem níveis mais elevados de beta-endorfinas no leite materno de mulheres que têm um parto vaginal normal, um bebê prematuro e aqueles que não recebem uma epidural durante o parto.

Relaxina

Relaxina é um hormônio que desempenha um grande papel na reprodução feminina. Relaxina, como você pode ter adivinhado a partir do nome, relaxa ou solta os músculos, articulações e tendões. Durante o parto, a relaxina no corpo funciona para ajudar a suavizar o colo do útero e afrouxar a pelve para se preparar para a expulsão do bebê. Pode também ter um efeito no crescimento do tecido produtor de leite dos seios.

A relaxina está presente no início do leite materno, e continua a ser visto no leite materno durante semanas após o parto. A importância da relaxina no leite materno ainda é desconhecida, mas sua função pode estar relacionada ao estômago e intestinos do recém-nascido. Uma vez que os cientistas não compreendem completamente tudo o que a relaxina faz, a pesquisa sobre esse hormônio continua.

Eritropoietina (EPO)

A produção de glóbulos vermelhos no corpo é chamada de eritropoiese. Eritropoietina é um hormônio que é feito pelos rins, e ele diz ao corpo para fazer mais glóbulos vermelhos. Este hormônio passa para o leite materno, e pode ajudar a estimular a produção de glóbulos vermelhos no recém-nascido.

Cortisol

O cortisol é muitas vezes chamado de hormônio do estresse. É um hormônio esteroide que tem muitas funções no corpo humano. No colostro, o cortisol é alto, mas os níveis baixam rapidamente e permanecem em níveis mais baixos à medida que a amamentação continua. As mulheres que estão felizes e têm uma experiência positiva de amamentação, têm demonstrado ter menos cortisol no seu leite materno.

A quantidade de cortisol no leite materno pode afectar a quantidade de Imunoglobulina Secretiva A (sIgA). IgA é um anticorpo importante que protege o bebê de doenças. Níveis mais elevados de cortisol estão associados a níveis mais baixos de sIgA. Assim, parece que altos níveis de estresse e cortisol podem interferir com as propriedades imunológicas protetoras saudáveis ​​do leite materno.

A comunidade científica não tem certeza do que o cortisol faz realmente no leite materno, mas eles acreditam que ele pode:


  • Ajudam as crianças a controlar o movimento de fluidos e sais no trato digestivo.
  • Esta envolvido no crescimento do pâncreas do bebê.
  • Ajuda o bebê a lidar com o estresse crônico.

Leptina

O hormônio leptina é feito pelo tecido adiposo do corpo. Ele controla o apetite, peso e quanta energia o corpo usa. A leptina no leite materno pode ajudar a controlar o peso do bebê. Estudos mostram que quando o leite materno contém mais leptina, os bebês têm um menor índice de massa corporal (IMC). Assim, a leptina pode ajudar a prevenir a obesidade em bebês amamentados.

Outros hormônios encontrados no leite materno

Outros hormônios identificadas no leite materno humano incluem o hormônio liberador de gonadotropina (GnRH), insulina, progesterona, estrogênio, androgênios, gastrina, adiponectina, resistina e grelina.

Leia também:


Referências bibliográficas:

Dvorak, B. (2010). Milk Epidermal Growth Factor and Gut Protection. The Journal of Pediatrics, 156(2 Suppl), S31–S35. http://doi.org/10.1016/j.jpeds.2009.11.018
Dvorak, B., Fituch, C. C., Williams, C. S., Hurst, N. M., & Schanler, R. J. (2003). Increased epidermal growth factor levels in human milk of mothers with extremely premature infants. Pediatric Research, 54(1), 15-19.
Lawrence, Ruth A., MD, Lawrence, Robert M., MD. (2015). Breastfeeding A Guide For The Medical Profession Seventh Edition. Elsevier Health Sciences.
Riordan, J., and Wambach, K.. (2014). Breastfeeding and Human Lactation Fourth Edition. Jones and Bartlett Learning.
Savino, F., Liguori, S. A., Fissore, M. F., & Oggero, R. (2009). Breast Milk Hormones and Their Protective Effect on Obesity. International Journal of Pediatric Endocrinology, 2009, 327505. http://doi.org/10.1155/2009/327505


Like it? Share with your friends!

1.5k shares

What's Your Reaction?

Uau Uau
0
Uau
Gostei Gostei
0
Gostei
Amei Amei
1
Amei
Ouwn Ouwn
0
Ouwn

Deixe um Comentário

comments

error: Este conteúdo é protegido pelas leis de direitos autorais, não copie, compartilhe. :)