Socorro, meu filho não quer saber do pai!

3 min


170 shares
meu filho não quer saber do pai presença presente

Muitas mães falam angustiadas: meu filho não quer saber do pai, o que fazer?

A mãe gesta o bebê por nove meses e durante este tempo concebe a idéia de ser mãe. Quando o bebê nasce ela já sabe que é mãe. Pai geralmente começa a se dar conta disto depois do nascimento.

E o pior de tudo é que o pós-parto é quando a mãe mais precisa de ajuda e apoio do pai. E o cara esta lá, apático a paternidade. Enfiando os pés pelas mãos sem saber como ajudar.

Claro que existem poucas e raras excessões de pais que conseguem lidar muito bem com a chegada do bebê e são um apoio e ajuda importantes. Este texto fala da grande maioria que é pai mas não se deu conta ainda.

De repente a mãe sobrevive ao pós-parto com o recém nascido e o bebê cresce uns meses. Aí as coisas começam a complicar mais um pouco porque o bebê não quer saber do pai, só quer a mãe.

O pai se sente rejeitado e acha que o filho não gosta dele ou alguns, acham bom não ter que cuidar ou brincar com o filho. 🙁

No fim das contas acaba sobrando para a mãe ter que lidar com esta situação complicada e difícil. Muitos romances esfriam por isto, e o casal fica sem saber que caminhão os atropelou depois do nascimento do filho, quando na verdade, foi a falta de companheirismo do pai que deixou todas as responsabilidades para a mãe resolver.

Leia também:

Pior do que isto é o quanto esta relação cada vez mais distante pode afetar o desenvolvimento do bebê e como esta relação será futuramente se o pai continuar distante.

Bebês identificam o amor quando são cuidados e amados, e a melhor forma de demonstrar isto é com os cuidados diários e com o tempo junto de brincadeiras, atenção, colo e amor.

Se um pai não tem estes momentos com seu filho provavelmente o filho não vai querer saber dele, sequer vai querer ficar no seu colo. A mãe fica exausta por ser a única que o bebê aceita e o bebê perde um contato valioso com o pai. Mas isto tudo tem solução.

Infelizmente se o pai não sabe lidar ou resolver esta situação, a mãe mais uma vez precisa ser a intermediária desta relação, ou melhor, precisa intermediar o nascimento da relação entre pai e filho.

Vou dar 2 dicas básicas, porém importantíssimas para que vocês (pai e mãe) consigam resolver estes dois problemas.

1. Determinem um tempo de brincadeiras para o pai passar com o bebê TODOS os dias.

Pode ser 30 minutos por dia, depende muito de como é a dinâmica familiar de vocês e o quanto cada um dos dois trabalham, mas todos os dias é essencial que o filho receba do pai atenção suprema e única por um período no dia, todos os dias.

Atenção suprema e única significa: nada de celular, computador, TV ou qualquer outro eletrônico que mude o foco do tempo junto naquele instante. E a regra é: este é o tempo para os dois brincarem juntos.

Neste tempo só vale brincadeira, colo, atenção, conversa. No começo a mãe pode participar para encorajar o filho(a) a confiar no pai, depois de uns dias a mãe se afasta e deixa pai e filho(a) brincarem apenas entre eles.

Não se preocupe, quando esta relação estiver construída, você volta em cena e vira brincadeira em família, somente no começo que é importante dar um tempo para eles se conhecerem.

2. As tarefas do pai precisam ser feitas.

Isto nem precisaria ser dito, mas não tem jeito, a realidade é que muitas mães acabam trocando fraldas, dando banho, comida e todo o resto sozinhas e o pai não se liga que precisa participar destes cuidados.

Se você tem um pai “distraído” com isto em casa, o lembre das funções que ele também pode desempenhar. Determine algumas tarefas para o pai fazer relacionada a cuidados: que seja uma troca de fralda por dia, um banho, dar uma janta ou almoço, alguma coisa de acordo com a realidade familiar de vocês e que envolvem contato direto entre o pai e o filho(a), mas pelo menos um item destes cuidados ele precisa fazer.

Assim o bebê vai entender que o pai também cuida dele, vai perceber estas ações como demonstração de amor e a relação vai começar a deslanchar.

São duas ações apenas, muito simples e pequenas para o pai se dedicar todos os dias, mas que para o bebê faz uma enorme diferença.

Ao pai: Ser pai é desafiador também. As vezes é preciso quebrar ciclos e tentar ser diferente de quem você teve como pai, as vezes a pressão por ser um pai tão bom quanto o que você teve também pesa. São muitas questões. Avalie-se e se pergunte: que tipo de pai você quer ser?

Mãe: Converse com o pai sobre isto, o lembre todos os dias das duas tarefas, caso seja necessário, depois de alguns dias o pai e o bebê vão passar a se conhecer melhor, a relação entre os dois vai desabrochar e o pai vai até se dar conta do que estava perdendo neste tempo todo quando perceber o quanto o bebê é capaz de demonstrar amor por quem faz o mesmo por eles.

E isto vale para todas as idades, desde bebês recém-nascidos até os maiorzinhos. Use esse tempinho para cuidar de você, afinal de contas, você mais do que todos, merece!

 


Like it? Share with your friends!

170 shares

What's Your Reaction?

Uau Uau
2
Uau
Gostei Gostei
3
Gostei
Amei Amei
3
Amei
Ouwn Ouwn
2
Ouwn

Deixe um Comentário

comments

error: Este conteúdo é protegido pelas leis de direitos autorais, não copie, compartilhe. :)