O que é um bebê High-Need e como atender suas necessidades

17 min


2.1k shares
O que é um bebê high-need

Você sabe o que é um bebê High-Need? Já se perguntou por que seu bebê é tão diferente? Ou, o que você está fazendo de errado?

Bem, seu bebê é como é, e age de uma maneira diferente da “maioria” dos bebês, porque ele é assim e só. Seu bebê tem algumas características, não por causa do jeito que você o cria, mas por causa da personalidade que ele tem.

E é por isso que saber o que é um bebê High-Need pode aliviar a sensação de achar que você está fazendo algo errado, ao entender que cada bebê é diferente e age de forma diferente.

>> Sono do bebê: os que dormem bem, geralmente estão ao lado de suas mães

*Artigo escrito originalmente pelo Dr. William Sears
Tradução livre e adaptação de termos por Suelen Maistro

Nas primeiras semanas após o nascimento, você tem um vislumbre de quem essa pequena pessoa realmente é. Mesmo quando grávida, você pode ter começado a ter para si mesma uma sugestão do desafio por vir.

Os bebês de alta necessidade tendem a ser pessoas de “barriga e bexiga”, como se dissessem ao mundo, antes mesmo de nascer, que precisavam de mais espaço.

>> Por que recém-nascidos acordam tanto a noite?

De certa forma, todos os bebês são bebês de alta necessidade (high-need), e a maioria dos bebês tem altas necessidades em pelo menos uma área de sua vida.

Alguns bebês têm uma quantidade maior de áreas de alta necessidade. Muitas vezes, a necessidade do bebê está apenas na mente dos pais. Alguns pais experientes têm ampliado suas expectativas de que os bebês são “normalmente” exigentes, e se adaptam mais facilmente a um bebê com necessidades elevadas; novos pais muitas vezes não são tão realistas.

>> Como cuidar de um recém-nascido: dicas para quando seu bebê chegar

Veja as características de bebês High-Need, e leia as descrições correspondentes ao seu bebê abaixo:

  1. Intenso
  2. Hiperativo
  3. Extrator
  4. Mama com frequência
  5. Exigente
  6. Acorda frequentemente
  7. Insatisfeito
  8. Imprevisível
  9. Super sensível
  10. Necessitam de contato
  11. Querem interação humana constante
  12. Super apegado

Todos os bebês vão mostrar algumas dessas características algumas vezes, e esses recursos são apenas descritivos. Teoricamente você verá agora quais são as principais características de bebês High-Need.

Cada um desses traços de personalidade tem suas bênçãos e suas provações, que não devem ser julgados como “bons” ou “ruins”. Eles são apenas diferenças entre bebês. Mas, justamente essas diferenças fazem com que os bebês de alta necessidade desafiem os pais.

Em última análise, o que importa é como a criança aprende a usar esses dons especiais; e para os pais, o objetivo é aprender a identificar essas características únicas em seus bebês e crianças e canalizá-las para que sejam trabalhadas como uma vantagem da criança.

Características de bebês de altas necessidades ou High-Need:

1. Intenso

Você pode muitas vezes detectar bebês de alta necessidade já no berçário do hospital. Enquanto outros bebês podem ficar satisfeitos no berço, estes bebês protestam com os cuidados do grupo e com seus gritos de alta intensidade exigem ser levados imediatamente para uma sala privada, com uma enfermeira privada – sua mãe. (Isto é: de onde eles pertencem em primeiro lugar).

O grito de um bebê de alta necessidade não é um mero pedido, é uma demanda urgente.

Esses bebês colocam mais energia em tudo o que fazem. Eles gritam alto, se alimentam vorazmente, riem com entusiasmo e protestam com mais força se suas necessidades não são satisfeitas. Porque eles são profundos reagem mais poderosamente se seus sentimentos são perturbados.

Você pode ler a intensidade dos sentimentos do bebê em sua linguagem corporal. Os punhos estão apertados, arqueados para trás, os músculos tensos, como se estivessem prontos para a ação.

Bebês intensos tornam-se toddlers intensos. Eles estão em alta velocidade o tempo todo. Sua unidade para explorar e experimentar tudo ao alcance não deixa nenhum item doméstico seguro. Esses bebês correm de cabeça para um objeto desejado, aparentemente inconscientes de tudo em seu caminho. Logo você percebe que o mesmo traço comportamental que poderá te exaurir, também te encantará.

O mesmo impulso que coloca seu filho em dificuldade também o leva a um nível de criatividade em direção ao qual outras crianças não podem se aventurar. Seu trabalho é ajudá-lo a dirigir com mais cuidado e em estradas que ele pode manipular.

2. Hiperativo

A maioria dos bebês – mesmo os de alta necessidade – gostam de ser embrulhados em um cobertor ou colocados sobre o ombro para se moldar no contorno do seu corpo. Mas há alguns bebês de alta necessidade que parecem evitar a contenção e contato físico: Eles endurecem os membros e arcam suas costas quando você tenta mantê-los, e são frequentemente vistos fazendo mergulhos de volta em seu colo, transformando a amamentação em um evento de ginástica.

Lembre-se de que, como todas as palavras usadas para descrever crianças de alta necessidade, o termo “hiperativo” não é uma marca negativa. 

Em que ponto uma criança normalmente ativa se torna uma criança “hiperativa” é um julgamento? Chamar sua criança ocupada de hiperativa não significa que terá este rótulo para sempre, ou que ele um dia será marcado hiperativo por um psicólogo da escola.

Este termo descreve apenas como seu filho age, sem fazer qualquer julgamento sobre se é bom ou ruim. “Hiperativo” em um bebê ou criança não é um distúrbio, é uma descrição.

Coloque uma criança intensa, criativa, entusiástica no meio de um grupo de crianças mais reservadas e ele se tornará “hiper” em relação aos “reservados”. Além disso, o nível de atividade da criança depende da configuração. Uma criança pode brincar calmamente no ambiente confortável e conhecido de sua própria casa, mas ser frenética e não dirigida em um grupo de jogo cheio de estranhos.

Estas características motoras são parte da personalidade do bebê. Eles podem ser difíceis de conviver às vezes, mas essa inquietação não é necessariamente um traço negativo. Algumas pessoas altamente criativas, que mudam o mundo, foram rotineiramente hiperativas quando criança.

3. Extratores

Bebês de alta necessidade extraem cada gota de energia de pais cansados – e, em seguida, querem mais. “Extrair”, não é uma analogia clara. O que você dá ao seu bebê não vai embora.

Talvez “recarregar” seja um termo mais preciso, porque o que você está realmente fazendo é transferir grande parte de sua energia para o tanque do seu bebê para ajudá-lo a prosperar.

Você precisa reunir o máximo de atitude positiva possível: Tente pensar nesses dias de “extração” como “dias”. Isso ajudará você a passar por esses meses de alta manutenção.

Os bebês tomam o combustível que precisam de você sem considerar se eles deixam seu tanque quase vazio.

A exploração aparentemente constante, deixa pouca energia restante para suas necessidades. Mães experientes aprendem a operar no que uma mulher chama de “zona-materna”.

É como a “Zona Crepuscular”; você se sente um pouco confuso, um pouco privado de sono; você simplesmente funciona em baixa marcha por um período de tempo.

É uma época que passa… e, enquanto você estiver nela, tente não lutar ou ressentir-se. Em vez de sentir pena de si mesma por você não ter dormido o suficiente, simplesmente não espere tanto de si naquele dia. Claro, você não está completamente descansada, você é a mãe de um bebê que precisa de você.

O tempo gasto na zona-mãe é bom para você e para o bebê. Outras tarefas podem esperar, mas o bebê não pode.

Muitas mães parecem ter um medidor de energia interna que magicamente traz mais combustível, assim que tanque começa a esvaziar. Haverá dias de exploração incessante sem pausas.

Mas quando você sente que não consegue lidar com outro dia de dar mais energia, você recebe um segundo sopro e um descanso, e de repente você pode relaxar e desfrutar a personalidade única do seu bebê florescendo. É como se o bebê percebesse o ponto de ruptura da mãe e recuasse um pouco. Provavelmente não haverá dias de folga, mas alguns dias serão menos difíceis do que outros.

4. Mama com frequência

A medida que você avança em direção a sua amamentação, vai aprender em breve que a amamentação não é apenas uma fonte de nutrição, é uma forma de confortar o bebê também.

Estudos mostram que os bebês que são amamentados com freqüência e em livre-demanda, conforme necessário, choram menos do que os bebês que são alimentados com horários controlados.

Em culturas onde os bebês raramente choram (há esses lugares), as crianças mamam cerca de vinte vezes por dia.

Os investigadores atribuíram a suavidade dos bebês nestas culturas ao efeito da alimentação freqüente na organização total dos sistemas biológicos do bebê.

Este número de mamadas parece incrível para nós na cultura ocidental, mas não é realmente tão estranho quando você considera que nestas culturas o bebê é carregado no corpo da mãe de uma forma que ele pode ter acesso fácil ao peito.

Uma alimentação neste caso pode durar apenas cinco minutos, em vez de 30 a 45 minutos que um bebê leva para preencher sua barriga quando é alimentado apenas seis ou oito vezes por dia em um arranjo de alimentação mais formal.

O aleitamento materno é especialmente reconfortante para o bebê, não só porque o contato pele-a-pele torna este um bom lugar para se aconchegar, mas também porque o bebê pode facilmente regular o fluxo do leite.

Vivemos em uma cultura ocidental que está definitivamente em desacordo com este estilo “primitivo” de maternidade.

E nossos bebês choram muito! É um desafio para uma mãe ocidental de um bebê High-Need encontrar um estilo de vida que tanto ela como seu bebê podem viver bem. E deve haver um equilíbrio na alimentação.

Os bebês que tomam apenas fórmula podem engordar, então usar uma mamadeira cheia de fórmula como uma chupeta constante certamente não é saudável ou apropriado.

A boa notícia é que você não precisa se preocupar com isso no caso da amamentação, porque o conteúdo calórico do leite materno se auto ajusta à alimentação frequente.

Quando o bebê tem apenas uma breve mamada de conforto, ele recebe uma quantidade pequena de calorias e vai recebendo aos poucos diariamente. Os bebês que mamam com frequência raramente têm sobrepeso, mesmo que por algum tempo pareçam lutadores de sumô em miniatura.

Estudos mostram que as células de gordura criadas por lactantes são muito diferentes dos bebês alimentados com leite artificial. A gordura vai embora e se “derrete” a partir do momento em que o bebê começa a se movimentar como engatinhar, rolar, se mexer ou andar.

Então, quantas vezes você deve amamentar seu bebê High-Need? De acordo com as necessidades do bebê, contudo não ao ponto de se desgastar completamente. Existem outras maneiras de conforto para estes bebês, e é importante aprender algumas destas alternativas.

“Horários pré-estabelecidos” é um termo que não existe no vocabulário do bebê de alta necessidade. No início estas crianças inteligentes aprendem que o peito ou a mamadeira não é apenas uma fonte de nutrição, mas também uma fonte de conforto.

De fato, a pesquisa mostrou que a sucção não-nutritiva (sugando para se confortar mais do que se alimentar) é uma das primeiras maneiras dos bebês aprenderem a se acalmar. (Claro, um bebê não pode ter sucção não-nutritiva em uma mamadeira, bebês que não tem nenhum contato com o seio materno precisam de uma chupeta para suprir sua necessidade de sucção-não nutritiva).

Um tema recorrente que ouvimos falar com os pais de bebês de alta necessidade é: “Ele quer mamar o tempo todo.”

>> Mamadas frequentes: o bebê quer o peito sempre que chora?

Siga o fluxo…

Claro que para a mãe que amamenta, seguir o fluxo pode ser exaustivo, e ela vai naturalmente se sentir excessivamente cansada.

Certamente este é o objetivo final de educar o bebê High-Need: dar a ele durante seu desenvolvimento e crescimento, paz interna durante aqueles meses tumultuados após o nascimento, quando o bebê está aprendendo a se instalar na vida; isso irá ajudá-lo a aprender eventualmente a criar sua própria paz interior por conta própria.

Amamentar é um momento maravilhoso para dar um tempo em todas as outras coisas que você está fazendo durante o dia. Alivia a vontade desesperada do bebê de mamar, fornece um oásis calmo e amoroso onde mãe e bebê são refrescados diariamente. A prolactina que o diga!

Bebês de alta necessidade não apenas mamam com maior frequência, mas a necessidade de amamentação dura mais tempo. Esses bebês são notoriamente lentos para desmamar. Eles percebem que têm uma coisa boa e seria tolice desistir dela rapidamente. Não é incomum para bebês de alta necessidade (a menos que forçados ao desmame antes de seu tempo) mamar pelo menos dois anos.

5. Exigentes

Os bebês de alta necessidade não se limitam a pedir para mamar e atenção, eles exigem – em voz alta. Este recurso mais do que qualquer um dos outros liga os botões dos pais, fazendo com que se sintam manipulados e controlados. Os adultos que estão presos na mentalidade “criação x controle” podem ter grande dificuldade em perceber que as demandas dos bebês são para se comunicar e não controlar.

As mães de bebês de alta necessidade costumam dizer: “Eu simplesmente não consigo chegar rápido o suficiente” Esses bebês transmitem uma sensação de urgência em seus sinais; eles não gostam de esperar e eles não aceitam prontamente as alternativas.

Ai do pai que oferece ao bebê o chocalho quando ele está esperando um peito. Ele vai deixar você saber rapidamente e em voz alta que você interpretou mal seus sinais. O conceito de “gratificação atrasada” é totalmente estranho aos bebês, deve ser sensível e gradualmente ensinado quando a criança está desenvolvida e pronta para aprendê-la.

Pode ser mais fácil lidar com os sinais exigentes do seu bebê se você entender por que os bebês de alta necessidade precisam ser exigentes para se desenvolver.

Suponha que o bebê tivesse necessidades elevadas, mas não tivesse uma personalidade forte para “exigir” que essas necessidades fossem atendidas. Suponha que ele não usou o tipo de grito persistente que garante uma resposta.

Esta seria uma situação de perda: o bebê não se desenvolveria emocionalmente porque suas necessidades não seriam preenchidas e os pais não conseguiriam praticar o suficiente na leitura de sugestões do bebê para atender o nível de necessidade real dele.

Se a criança sente que pode confiar em seus cuidadores, ela acabará aprendendo a exigir suas demandas de uma forma mais socialmente aceitável, em vez de descontrolar todo o ambiente de cuidados ao seu redor.

Com os pais que respondem e sabiamente canalizam suas demandas, a criança de alta necessidade se desenvolve como uma pessoa com determinação, que lutará por seus direitos. A criança se torna um líder em vez de um seguidor, um que não segue o caminho de menor resistência e faz tudo que o mundo está fazendo. Certamente, nosso país precisa de mais desses cidadãos.

Ser exigente é o traço de crianças de alta necessidade que é mais provável que incomode mais os pais, mas também é o traço que impulsiona as crianças a ter sucesso.

Uma criança de alta necessidade com uma personalidade exigente correspondente, se nutrida e canalizada adequadamente durante os anos formativos, esgota os professores como fez com seus pais; mas ela também será capaz de extrair recursos de adultos, como professores, no nível de ajuda e educação que ela precisa para prosperar em esforços acadêmicos e sociais.

É por isso que é tão importante não esmagar a expressividade de um bebê. A capacidade de conhecer as necessidades e ser capaz de expressá-las confortavelmente é uma ferramenta valiosa para o sucesso na vida.

Como a criança de alta necessidade cresce em meio a outras crianças e suas necessidades, os pais também devem ajudá-la a aprender que suas demandas devem ser equilibradas contra as necessidades dos outros, para que ela possa aprender a ser uma pessoa simpática e compassiva, não apenas um exigente.

Ajudar um bebê exigente a desenvolver uma personalidade persistente sem se tornar uma pessoa controladora é um dos desafios para estes pais.

6. Acordar frequentemente

“Por que os bebês de alta necessidade precisam de mais de tudo, menos no item sono?” – disse uma mãe cansada. Você pode até pensar que os bebês de alta necessidade precisariam de mais sono; certamente seus pais cansados pensam. Para remediar seus próprios sentimentos cansados de pais, releia o que foi dito sobre a zona-mãe no item “3. Extratores”.

Não há como forçar um bebê a dormir, principalmente se ele não precisa. A melhor coisa que os pais podem fazer é continuar fornecendo um ambiente estimulante até o momento do sono e perceber que o bebê acabará por dormir mais e você também.

Artigos interessantes sobre sono do bebê:

7. Insatisfeito

Não ser capaz de satisfazer as necessidades de um bebê é muito frustrante para pais de bebês de alta necessidade. Parece um ataque direto às suas habilidades. Afinal, um bebê satisfeito é a marca da maternidade eficaz, certo? Errado!

Haverá dias em que você cuidará, amamentará, andará, dirigirá, vestirá e tentará todas as técnicas reconfortantes conhecidas pelo homem ou pela mulher, e nada funcionará. Então, não tome isso como um sinal de fracasso.

Você faz o melhor que pode e o resto é com o bebê. Você não falhou como mãe, mesmo que seu bebê pareça insatisfeito na maior parte do tempo. Isso é simplesmente parte de sua personalidade.

Enquanto isso, continue experimentando uma técnica reconfortante após outra e você acabará por descobrir uma que funcione -pelo menos para esse dia. Então você vai se sentir como um gênio!

Mantenha seu chapéu de detetive para encontrar pistas sobre o desconforto do bebê. A constante tentativa e erro é como você vai construir e descobrir ao longo do tempo técnicas que acalmam e satisfazem seu bebê únicas para ele.

8. Imprevisível

É frustrante perceber que o que funcionou ontem já não funciona hoje. “Assim que acho que ganhei o jogo, ele aumenta a aposta!” – confessou uma desconcertada mãe. Bebês de alta necessidade são imprevisíveis. Por isso, você vai precisar de muita variedade em sua bolsa de truques reconfortantes.

Balançando, andando, usando carrinhos, cantando canções de ninar, posição de barriga, posição lateral, assentos para bebês, chupetas, inclinando o colchão da cama, trazendo-o para a cama junto, abraçando-o nos seios ou no peito nu, horas de sono, deixando-o ficar acordado até mais tarde antes de começar a o ritual do sono, começar logo após o jantar, deixá-lo chorar, não deixá-lo chorar, nada parece funcionar.

Algumas dessas coisas funcionam algumas vezes, nada funciona o tempo todo. Isso é muito frustrante e faz você constantemente se perguntar o que você está fazendo de errado.

Juntamente com sua imprevisibilidade, essas crianças mostram extremos de mudanças de humor. Quando estão felizes, eles são uma alegria ao redor de todos; são mestres encantadores e pessoas gratas. Quando zangados, deixam todos em torno deles sentir o calor de sua braveza.

Quando está feliz, é o bebê mais feliz do pedaço, mas quando está com raiva, ele é o mais raivoso do pedaço. Ele ainda é assim, sol e sorrisos, raiva e adagas. Ele não tem emoção média. Passeia entre os extremos.

A imprevisibilidade da criança torna seu dia imprevisível. Você o leva para fazer compras e corre o risco dele dar um chilique e ficar frustrado, ou este será um dia em que ele é o bebê modelo sentado no carrinho de compras, encantando todos no balcão.

Tenho uma teoria de que certos tipos de crianças aparecem em famílias que têm certas áreas nas quais precisam crescer.

Enfrentar o desafio deste “ser diferente” te força a descobrir o seu eu criativo. A vida com uma criança de alta necessidade nunca é chata.

9. Super sensível

Bebês de alta necessidade estão profundamente cientes dos acontecimentos no seu ambiente. “Facilmente incomodados”, “rapidamente estimulados”, “como caminhar sobre cascas de ovo” é como os pais descrevem seus bebês sensíveis.

Bebês de alta necessidade preferem um ambiente seguro e conhecido, e eles são rápidos para protestar quando seu equilíbrio é perturbado.

Eles se sobressaltam facilmente durante o dia, e tem dificuldades à noite. Enquanto você pode continuar a vida familiar normal sem acordar a maioria dos bebês dormindo, estes bebês muitas vezes despertam com o menor ruído. É improvável que os bebês super-sensíveis aceitem voluntariamente outros cuidadores.

Esta aguda sensibilidade ao seu ambiente pode tornar-se um ativo gratificante de acordo com que uma criança de alta necessidade cresce. Essas crianças estão “sintonizadas” com o que está acontecendo ao seu redor. Não são crianças distantes.

Sua aguda consciência estimula sua curiosidade, que por sua vez estimula o aprendizado. Eles se tornam crianças que se importam. Eles se sentem incomodados por ferir outra criança.

Eles desenvolvem empatia, uma qualidade que está faltando em muitos dos adolescentes e adultos de hoje.

Como essas crianças são tão sensíveis, desenvolvem um grande discernimento e são capazes de considerar os efeitos de seu comportamento sobre os sentimentos dos outros. Eles são capazes de alcançar uma das últimas qualidades de auto-disciplina: a capacidade de pensar no que eles estão prestes a fazer.

Leia também:

Bebês super sensíveis reagem em grande parte aos desconfortos físicos e emocionais. Eles permitem que você saiba, em termos inequívocos, que eles se machucam e eles precisam de ajuda – agora!

Ele chora em protesto quando a menor coisa não está bem para ele. Ele é tão sensível. Sempre que ele tem um resfriado, ele chora e lamenta, e precisa ser acolhido constantemente. Ele sempre chora no pediatra, mesmo o conhecendo desde o nascimento!

Embora seja perturbador para os seus ouvidos e frustrante para o seu coração sensível, bebês super sensíveis são, pelo menos, mais fáceis de ler. Eles permitem que você saiba quando eles precisam de ajuda ou quando algo deve ser alterado em seu ambiente de cuidados. Seus sinais não passam despercebidos.

10. Necessidade de contato

Bebês de alta necessidade anseiam contato: contato pele-a-pele em seus braços, em seus seios, em sua cama. Eles extraem qualquer contato físico que possam de seus cuidadores.

Eles também anseiam movimento.

Segurar no colo não é suficiente; é preciso manter-se em movimento. Se você quiser sentar-se, é melhor sentar em algo que balança. Esta exploração constante pode ser particularmente difícil para os novos pais que esperavam ter o modelo de bebê de revista: Aquele que repousa tranquilamente no berço. Este não é o perfil de um bebê de alta necessidade.

Os braços e os corpos dos pais são o seu berço; os seios da mãe são seu calmante, e um colo que balança é sua cadeira.

Eles gostam de ser carregados muitas horas por dia, porque eles gostam do contato físico e eles gostam de estar onde a ação acontece. Bebês inteligentes!

Alguns bebês de alta necessidade querem calor, toque e anseiam por ser aquecidos, outros são mais lentos para se deixar tocar e aquecer e muitas vezes recebem o rótulo “frios.”

Pode ser que este comportamento seja causado por extrema sensibilidade, o que faz com que eles percebam a manipulação como perturbador ou ameaçador.

É importante que o pai fique calmo e relaxado. Bebês como estes necessitam de um manuseio cuidadoso que evite o excesso de estimulação e gradualmente os dessensibilize ao toque.

Eventualmente, eles vão se acostumar a ser tocados, segurados e então relaxar. Alguns bebês super-sensíveis até mesmo ao toque, continuam a resistir ao contato físico, sendo estreitamente contidos no sling.

Eles também protestam às vezes, quando contidos. Estes são os bebês que precisam de mais espaço e tempo de chão. Os bebês super-sensíveis são os mais difíceis de ter suas necessidades atendidas porque não relaxam e nem se moldam nos braços de seus carregadores.

Se você tem um bebê que é inicialmente super-sensível, não leve isto para o lado pessoal. Esses bebês são simplesmente mais lentos para se deixar tocar e relaxar até com contato físico.

11. Querem interação humana constante

Outra expectativa irrealista que os novos pais costumam ter é que os bebês vão se acalmar para dormir com a ajuda de uma caixa de música ou algum gadget para acalmar o bebê.

Bebês de alta necessidade são mais espertos do que isso. Eles querem interagir com as pessoas, não com as coisas.

Os pais geralmente relatam: “Ele simplesmente não consegue relaxar sozinho”. Bebês de alta necessidade precisam de ajuda para adormecer. Eles devem aprender a confiar em seus pais para ajudá-los.

Isso irá ajudá-los a aprender a relaxar por conta própria, uma habilidade que tem valor para a vida toda. Chorar para dormir não é uma boa maneira de aprender a relaxar. A melhor maneira para um bebê aprender a relaxar e adormecer é ter seu comportamento moldado para ele por um pai.

Uma vez que uma criança aprende a relaxar por conta própria, ele não terá problemas para dormir quando está cansada. A qualidade de querer as pessoas em vez das coisas, inicialmente pode ser exaustivo, mas é uma vantagem para a criança.

A criança terá uma melhor compreensão sobre as relações interpessoais, especialmente se sentir confortável com a qualidade da intimidade.

12. Super apegados

A canção “Only You”, poderia ser o tema da maioria dos bebês de alta necessidade. Esses bebês não aceitam prontamente cuidados substitutos e são notoriamente lentos para se apegar a estranhos.

Ajuda olhar a separação, do ponto de vista do bebê. Para a maioria dos adultos, especialmente aqueles que dizem que “bebês devem aprender a ser independente”, bebê e mãe devem ser pessoas separadas, capazes de funcionar por conta própria.

Os bebês não vêm isso dessa maneira. Em suas mentes, a mãe é uma parte de si, e eles são parte da mãe.

Mãe e bebê são um pacote completo. Esses bebês se sentem bem quando se sentem com a mãe; eles se sentem ansiosos e assustados quando não estão com a mãe.

Alguns pais percebem este comportamento completamente normal como “ansiedade de separação“. Na realidade, essas emoções são sentimentos normais dentro de uma pequena pessoa que sabe que ele precisa da presença de sua mãe para prosperar e se sentir completo.

Rótulos como “ansiedade de separação” são jargões para adultos, refletindo nossas expectativas de como queremos que os bebês atuem por nossa própria conveniência, não como os bebês realmente são ou o que eles realmente precisam.

Observamos que as mães que passam os primeiros meses praticando este um estilo de criação com apego, carregando os bebês em slings e a exterogestação, passam menos por fases de “angústia da separação” e seus bebês choram menos.

Felizmente, os bebês de alta necessidade têm personalidades poderosas para nos dizer quando as coisas não estão certas.

A qualidade do seu bebê de ser muito seletivo sobre quem o cuida mostra que ele tem um grande discernimento. Os bebês de alta necessidade sabem que situações e em que pessoas podem confiar para atender às suas necessidades, e eles protestam se essas expectativas não são atendidas.

Grandes protestos de separação também revelam que esses bebês têm uma capacidade para formar apegos profundos – se eles não se preocupam profundamente, eles não ficam tão bravos e protestam tão alto quando separados. Esta capacidade é o precursor da intimidade nos relacionamentos adultos.

Eventualmente, o círculo de cuidados da criança vai crescer para incluir outras pessoas além da mãe. O conceito de desmame pode ser aplicado a mais áreas do que apenas desmame do peito. Significa também libertar relações exclusivas.


Like it? Share with your friends!

2.1k shares

What's Your Reaction?

Uau Uau
1
Uau
Gostei Gostei
0
Gostei
Amei Amei
8
Amei
Ouwn Ouwn
0
Ouwn

Deixe um Comentário

comments

error: Este conteúdo é protegido pelas leis de direitos autorais, não copie, compartilhe. :)