Vou amar o bebê assim que ele nascer?

2 min


153 shares
amar o bebê assim que ele nascer

“Mas que pergunta é esta! Claro que vou amar o bebê assim que ele nascer!”

A questão parece estranha e pode até ser que você tenha amado instantaneamente seu bebê assim que ele nasceu, no entanto, muitas mães passam por isso e se perguntam, de fato, se irão amar o bebê assim que ele nascer.

Se você está prestes a se tornar uma mãe ou você é a mãe de um novo bebê, você provavelmente já ouviu falar muito sobre o vínculo mágico e místico de mães e bebês.

“Não há nada como o amor de uma mãe!” As pessoas dizem, com os olhos brilhantes ao pensar em um momento tão mágico.

E enquanto o amor de uma mãe é uma coisa linda, é quase importante perceber que nem todas as mães sentem um amor instantâneo por seus bebês no segundo em que nascem – e isso é completamente normal.

Katherine Stone, que dirige a organização sem fins lucrativos Postpartum Progress, que é dedicado à consciência da depressão pós-parto, descreveu sua própria experiência ao não dar saltos de amor por seu bebê:

A pressão sobre a ‘maternidade me mudar’ e para o meu amor por ele ser ‘esmagador’ era demais“, ela escreveu. “Isso não aconteceu da noite para o dia. Isso é extremamente difícil de admitir, e tenho lágrimas rolando pelo rosto enquanto escrevo isso. Não porque eu ainda sinto o mesmo, mas porque ninguém me disse que isso poderia acontecer, então eu pensei que não era normal. Eu me senti para baixo e eu parti meu coração. Fiquei convencida de que não o amava o suficiente e havia algo errado comigo.

A verdade é que cada mulher experimenta a gravidez e a nova maternidade de maneira diferente. Algumas mulheres realmente se apaixonam por seus recém-nascidos à primeira vista e outras não. Não há nenhuma maneira errada ou correta de se apaixonar por seu bebê e a última coisa que qualquer nova mãe precisa sentir é culpa sobre como ela ama seu bebê.

Podem haver diferenças químicas nos cérebros das mulheres que explicam os diferentes níveis do vínculo mãe-bebê.

Uma pesquisa mais recente está examinando os efeitos da ocitocina, o hormônio do “amor”, que também desempenha um papel na gravidez, parto e amamentação e descobriram que mulheres com depressão ou outros problemas subjacentes à saúde mental podem ter os níveis de ocitocina reduzidos e estes podem interferir em seus sentimentos ao se sentirem ou não amando seus bebês à primeira vista.

O ponto é, você pode estar esperando para se apaixonar por seu bebê logo após ele nascer, ou depois de recebê-lo nos braços, mas às vezes, isso simplesmente não acontece.

Há tantos desafios difíceis que você encontra ao trazer seu novo bebê para casa e se derreter de amores por seu bebê imediatamente não é uma exigência para ser uma boa mãe.

Você ainda pode amar seu bebê e cuidar do seu pequeno, mesmo que você não esteja se sentindo nas nuvens ou em transe de amor.

Se você ainda não está sentindo amor por seu recém-nascido, ou se está grávida e se perguntando se esse vínculo materno nunca vai surgir, não entre em pânico. Se dê tempo para descobrir a maternidade em seus próprios termos e não culpar-se se você precisar de um pouco mais de tempo para se adaptar a cuidar de seu bebê.

Seja aberta e honesta sobre seus sentimentos e concentre-se em cuidar de si mesma também.

No entanto, se você está tendo dificuldade de ligação prolongada com seu bebê ou está experimentando outros sintomas, como querer prejudicar a si mesma ou seu bebê, não se esqueça de conversar com seu médico sobre seus sentimentos, pois eles podem ser um resultado da depressão pós-parto, que é tratável.

Leia também:


Like it? Share with your friends!

153 shares

What's Your Reaction?

Uau Uau
0
Uau
Gostei Gostei
0
Gostei
Amei Amei
0
Amei
Ouwn Ouwn
0
Ouwn

Deixe um Comentário

comments

error: Este conteúdo é protegido pelas leis de direitos autorais, não copie, compartilhe. :)