Tempo de leitura deste artigo:7 minutos

Existem uma série de relatos que o sexo depois dos filhos muda.

Geralmente os problemas são sempre atribuídos a amamentação, mas nem sempre o fato do sexo depois dos filhos estar um pouco comprometido tem a ver apenas com isto.

As queixas são inúmeras. O relacionamento, principalmente sexual depois dos filhos muda e muito para a grande maioria dos casais e isto por vezes se torna um desafio para o casal superar tanto no período pós-parto quanto até mesmo mais de 1 ou 2 anos depois do nascimento do bebê.

Existem duas formas dessa relação mudar e vamos tratar de cada uma delas neste texto. A primeira é quando a mulher não esta interessada e isto pode acontecer por diversos motivos, tanto hormonais quanto em relação ao cansaço físico e mental que cuidar de um bebê demanda, principalmente da mãe e mais ainda quando ela não tem ajuda com os cuidados com o bebê.

A segunda situação é quando o marido se mostra desinteressado pela mulher, a causa pode ser também a mudança de rotina e vida com a chegada do bebê, questões psicológicas que envolve ciúme da criança e perda de espaço na vida da mãe ou a forma como ele passa a enxergar a mulher depois que ela vira mãe. “O nascimento do bebê provoca no casal conflitos inconscientes e regressões.

Há uma tendência ao afastamento temporário do casal, inclusive em termos sexuais até que o bebê seja assimilado.” (Adolfo Paulo Bicalho Lana, 2001). Para todos os casos há solução, principalmente para os casais que se amam e desejam continuar juntos.

Quando ela não esta interessada

Alguns fatores contribuem e muito para que a mulher, principalmente, seja uma das menores interessadas em fazer sexo com o parceiro e isto acaba promovendo um afastamento natural do casal, ainda que venha apenas por parte de um.

O parceiro quando deseja a mulher encontra uma mãe cansada com a rotina de cuidados com o bebê, com o períneo sensível (principalmente se tiverem feito uma episiotomia, procedimento completamente desnecessário) ou uma cicatriz de cesárea dolorida (7 camadas de pele costuradas internamente!!!) e, com baixos níveis de estrogênio no pós-parto que causam um secamento da lubrificação vaginal tornando o ato sexual por vezes doloroso.

Além de ser comum que a mulher-mãe tenha conflitos inconscientes a respeito do sexo como prazer.

A insegurança com o novo corpo pós-parto, medo de sentir dor, ansiedade e culpa por se sentir apenas mãe e não mais mulher podem aumentar estas disfunções sexuais.

O ideal é que a mãe, além de ter as responsabilidades divididas igualmente com o parceiro e a ajuda de outras pessoas com os cuidados com o bebê, esteja confiante e segura quanto a sua relação com o corpo pós-parto, segura em relação aos sentimentos existentes entre ela e seu parceiro e conheça seu corpo para tentar tornar este momento menos dolorido e mais prazeroso (prolongamento de carícias preliminares, uso de lubrificantes, gentileza e calma).

Você precisa fazer sexo se não quiser? Não. Nunca. Mas você precisa saber que pode fazer se quiser e que pode ser bom se estas questões mencionados aqui estiverem em harmonia, bem como outras questões que esteja apenas dentro de você e lhe seja muito particular.

Quando falamos sobre o hormônio ocitocina liberado durante a amamentação e também durante a relação sexual, algumas mães não entendem as diferenças dos atos de amamentar e fazer sexo.

Apesar de ser o mesmo hormônio, os atos são diferentes e para que a mãe esteja tranquila ela precisa entender estas diferenças.

O prazer que a mãe sente ao amamentar é algo natural, uma característica comum aos mamíferos, não há motivo para sentir vergonha e constrangimento sobre isto, pois muitos casos inconscientes de rejeição materna a amamentação esta ligada profundamente a estes sentimentos.

Algumas quando não lidam bem com isto param de amamentar, outras param de fazer sexo porque não conseguem lidar com sensações hormonais tão parecidas em atos completamente diferentes. Mas saiba que, trata-se da natureza humana e não existe problema algum nisto. Ter em mente que são relações diferentes ajuda a mãe a lidar com todos estes sentimentos confusos.

Quando ele não esta interessado

Após o nascimento, o parceiro tende a regredir e se sentir excluído do binômio mãe-filho. Esta rejeição pode configurar dois problemas: a vontade de fazer sexo o mais rápido possível para voltar a se sentir incluído e se a mãe não estiver interessada, vale conversar e vale ela se avaliar baseado no texto acima.

Um outro problema é o parceiro se desinteressar porque esta se sentindo excluído, sente o bebê como um rival (inconscientemente) e se afasta.

Estas reações dependem muito da história de vida de cada um e por isto alguns parceiros só conseguem enxergar a mulher como mãe de seu filho e isto tende a afastá-lo também até que ele se sinta mais confortável em seu papel de pai e perceba que as relações são diferentes, que não trocamos a mulher pela mãe e nem o homem pelo pai, mas que adicionamos a estes elementos antes singulares, características novas.

Quando dizem que deixar de ser marido não significa deixar de ser pai (muitas mães solos entenderão isto lindamente), serve exatamente o mesmo ditado para esta mesma situação. Se tornar pai não significa deixar de ser marido. São relações diferentes e é preciso maturidade e tempo para poder assimilar estas diferenças.

Por outro lado, se o desinteresse do parceiro diz respeito ao corpo da mãe que amadurece após o parto, vale repensar esta atitude. Ambos.

Se o desinteresse diz respeito ao cansaço da mãe no pós-parto, para os homens que me lêem dou a dica: Provavelmente você deve estar participando dos cuidados com o filho muito pouco e ela esta sobrecarregada.

Participe mais! E você verá o humor dela melhorar com você bem rápido.

E saiba que, trabalhar, todos trabalham, tanto a mãe em casa cuidando do bebê quanto você em seu trabalho ou tanto a mãe no trabalho dela e você no seu e que quando os dois estão em casa, as funções de cuidados com os filhos são responsabilidade dos dois.

Se você já participa de uma divisão de cuidados com o bebê de forma justa, não te dou parabéns porque você não faz mais do que sua obrigação de pai. Vamos ser adultos aqui.

Leia também:

 As relações sexuais são importantes para o casal, pois os aproximam, lhes dão intimidade e cumplicidade.

O sexo representa uma doação mutúa, uma forma do casal assegurar o seu amor um pelo outro. O desejo nada mais é do que uma forma não verbal de expressar a importância que se tem pelo parceiro ou parceira.

É uma das formas de se sentir amado e autoconfiante sobre a relação amorosa.

Quando o parceiro demonstra que seu desejo pela mulher-mãe continua o mesmo, as chances de depressão materna diminuem consideravelmente, pois ela volta a se perceber não só como mãe, mas como mulher também.

Por outro lado, a mãe que vive plena aceitação de seu corpo no pós-parto, se sente poderosa e especial com a maternidade vindo retificar sua força feminina, consegue driblar facilmente os percalços hormonais durante este período e ter uma relação sexual plena.

Deixe um Comentário

comments