Tempo de leitura deste artigo:15 minutos

Problemas na mama podem interferir com o sucesso da amamentação e causar desmame precoce.

Há muitos possíveis problemas na mama que as mães que amamentam podem enfrentar. A maioria dos problemas são comuns e não são motivo de preocupação ou desmame. Mas, alguns podem ser um sinal de algo que exija atendimento profissional.

É muito importante compreender e identificar qualquer problema que você tenha e pedir ajuda o mais rápido possível.

Quando você percebe que esta passando por um problema na mama durante a amamentação e pede ajuda, suas chances de obter ajuda a tempo de um desmame precoce são maiores e você poderá continuar com a amamentação por muito mais tempo.

Que tipo de problemas na mama uma mãe pode enfrentar durante o processo de amamentação?

1. Seios com tamanhos diferentes

Há 2 situações típicas em que as mulheres que amamentam podem ter mamas irregulares:

Um peito pode ser ligeiramente maior que o outro, normalmente.

Seios ligeiramente irregulares são normais quando você está amamentando. E são muitas vezes o resultado do padrão de amamentação do seu bebê. A mama que você irá amamentar na próxima mamada pode estar maior simplesmente por estar mais cheia que a anterior que já foi esvaziada e vice-versa.

Um peito pode estar dramaticamente maior do que o outro por você estar produzindo muito mais leite materno nesse lado.

Às vezes, uma mulher desenvolve mais tecido de produção de leite em uma mama do que em outra. Ou, se você fez uma cirurgia de mama ou tratamento de câncer de mama em um peito, talvez ele produza menos leite que o outro.  Ainda, se o bebê prefere uma mama à outra e mama mais vezes em uma delas, a que ele mama mais vezes, irá produzir mais.

Quando uma mama produz mais que a outra, elas podem se tornar desiguais, mas não há grandes problemas nisto e você pode amamentar em uma mama apenas se esta for a única forma ou, com o tempo, criar estratégias para igualar um pouco as mamas. Falei mais sobre isto aqui: Quando o bebê mama apenas em um peito, como faz?

2. Seios subdesenvolvidos (seios hipoplásicos)

Se você tem seios hipoplásicos, você nasceu com eles. É um problema na mama onde o tecido glandular no peito não se desenvolve completamente. Seios subdesenvolvidos podem ser amplamente espaçados, longos ou finos, e você pode não saber que você os tem até engravidar e ter seu bebê.

Se o seu médico lhe disser que tem tecido glandular insuficiente nos seios, ainda assim é possível amamentar.

No entanto, pode ser difícil obter uma oferta de leite suficiente e talvez seja preciso complementar.

3. Nódulos nas mamas

Quando se amamenta o bebê, geralmente a mama apresenta alguns grumos de leite, principalmente quando o bebê não esvazia a mama ou quando as mamas estão cheias demais.

Lembre-se que a maioria dos nódulos nas mamas não são graves e podem ser devido a leite acumulado no processo de amamentar ou períodos menstruais que deixam nosso corpo mais inflamado e com alguns nódulos por isso, que passam logo que o período cessa.

Existem três categorias gerais de nódulos:

Doença benigna da mama: benigno significa não prejudicial. Se você tem um nódulo benigno na mama ou protuberante, você pode sentir inchaço e sensibilidade, dor no seio ou o nódulo no seu peito.

Fibroadenoma: Um fibroadenoma é um tumor no tecido mamário que não é câncer. Ele pode ser sentido como uma única massa indolor, mas é sólido, firme e elástico ao toque. Esta massa móvel pode ser redonda, oval, ou composta de muitos lóbulos, e possui geralmente entre 1 e 5 centímetros de tamanho.

Câncer de Mama: Apenas um pequeno percentual de caroços mamários encontrados em mulheres que amamentam são câncer. O câncer de mama tende a aparecer como uma massa indolor em apenas um lado. É sólido, duro e denso. As bordas da massa são irregulares, e é difícil de se movimenta-lo, porque ele é anexado ao tecido do peito circundante.

Problemas mamários
Alguns dos problemas de mama que podem surgir durante a amamentação incluem:

4. Ductos obstruídos

Os ductos de leite obstruídos são áreas duras que se formam nos dutos de leite e bloqueiam o fluxo de leite materno.

Eles desaparecem rápido, as vezes em menos de um dia com amamentação freqüente ou ordenha para remover o leite materno que esta obstruindo os ductos.

Geralmente trocar o bebê de posição quando mama resolve mais rápido, algumas das posições que mais ajudam mães neste sentido são as de Laid Back Position.

5. Mastite

A mastite é uma inflamação (inchaço) do tecido mamário. Causa dor, inchaço e vermelhidão na área afetada na mama. Ele também pode causar sintomas gripais. Você pode precisar tomar um antibiótico se houver uma infecção presente, então chame seu médico.

Você pode começar a se recuperar da mastite em 48 horas se você descansar bastante, tomar a medicação e amamentar com muita freqüência. Leia mais sobre isto aqui: O que é mastite e como tratar.

6. Ingurgitamento da mama

Um dos problemas mais comuns na amamentação. O ingurgitamento nas mamas é causado por um aumento de fluidos nos seios, incluindo leite materno. Pode ser doloroso para a mãe e muito difícil para o bebê fazer a pega correta para mamar.

Para resolver é preciso amamentar com frequência e em livre demanda e provavelmente usar uma bomba para ordenhar o excesso de leite da mama até que você se sinta confortável e também antes de oferecer a mama ao bebê para que ele consiga fazer a pega mehor.

7. Galactocele

A galactocele é um cisto cheio de leite ou líquido leitoso, localizado nas glândulas mamárias que é muitas vezes causado pelo bloqueio de um ducto de leite que se infeccionou. Um médico geralmente drena o galactocele removendo o líquido leitoso com uma agulha, mas ele pode voltar normalmente.

Além da lactação, a passagem transplacentária de prolactina,  contraceptivos orais e lesões da mama que causam a obstrução de algum ducto mamário local ou generalizado, como cirurgia de mama, podem facilitar o desenvolvimento de galactocele.

O tratamento inclui massagem localizada e revisão do processo e técnica de amamentação. Punção aspirativa com agulha ou remoção cirúrgica.

8. Abcesso mamário

Um abscesso de mama é uma complicação rara causado por uma infecção de mama, geralmente vem de um ciclo de problemas não tratados. É uma bolsa de líquido que se acumula em uma área, há casos de algumas mulheres que tiveram dois na mesma mama ou várias vezes o problema. O médico pode ter que remover o fluido com uma agulha em uma punção aspirativa ou você pode precisar de uma pequena cirurgia.

9. Branqueamento do mamilo ou Fenômeno de Raynaud

O branqueamento do mamilo acontece devido a uma súbita interrupção do fluxo sanguíneo nos mamilos, causando um vasoespamo no mamilo. Os mamilos ficam brancos e podem queimar/arder.

Em seguida, à medida que o fluxo sanguíneo retorna, os mamilos gradualmente voltam à sua cor original. Também conhecido como Fenômeno de Raynaud, pode ser muito doloroso.

Para tratar o problema, certifique-se de que seu bebê está fazendo a pega corretamente para evitar que seus mamilos fiquem rachados, fissurados ou com pequenas feridas e mantenha seus seios quentes. As vezes, a Fênomeno de Raynaud é causado pela tensão e estresse, por isso, é importante tentar relaxar e buscar um tempo para si mesma.

10. Fissuras nas mamas

Umas das principais causas das fissuras mamárias é uma pega inadequada do bebê quando mama ou seu mal posicionamento durante a mamada. E a má pega pode ser causada pelo uso de chupetas, mamadeiras, bicos intermediários e copos com bicos.

Elas podem aparecer tanto nos primeiros dias de amamentação ou podem ser causadas durante o processo por causa dos bicos. É importante descobrir a causa e eliminá-la como corrigir a pega do bebê e retirar bicos artificiais de suas história.

Assim elas saram sozinhas, sem intervenções e não voltam mais. Deixar os mamilos respirarem, pegar sol leve e passar um pouco de leite materno para ajudar na cicatrização.

11. Freio lingual curto

O freio de lingual curto no bebê pode interferir na boa pega e causar fissuras, ingurgitamento, entre outros problemas. Em alguns casos, o problema se resolve corrigindo a pega e posição do bebê.

Alguns profissionais preferem a intervenção, cortando o freio de língua e aumentando a capacidade de movimentação da língua do bebê durante a pega, mas isto precisa ser acompanhado da correção de pega e posição.

Apesar de ser um procedimento simples, a prática deve ser reservada para freios que são muito curtos e produzem dor ou fissuras na mãe, pois geralmente, mesmo bebês com freio lingual curto conseguem mamar sem ferir ou causar dor na mama da mãe, dependendo do tamanho do freio lingual.

Quanto mais os movimentos da língua do bebê estiverem restritos pelo freio curto, mais importante se torna uma boa pega e bom posicionamento de mamada.

12. Candidíase ou infecção bacteriana do mamilo

A candidíase pode gerar uma dor em fíncadas e ardente nos mamilos, que aumenta quando acaba a mamada. As vezes a aparência do mamilo pode se tornar avermelhada ou esbranquiçada. O uso de conchas, absorventes para seios e pomadas podem favorecer o aparecimento da cândida por tornar o ambiente úmido, abafado e quente. Falei mais sobre isto aqui: Produtos para amamentar, será?

O tratamento inclui o uso de antifúngicos para mãe e bebê e alguns profissionais de aleitamento hoje também usam a laserterapia e estão tendo bons resultados.

13. Bolha branca de leite

Ou um ponto branco no mamilo como uma espinha dura. É liso, brilhante, duro e pequeno como a cabeça de um alfinete. Dói bastante durante a mamada e pode parecer inchado após a amamentação.

Geralmente a obstrução de um ducto mamário pode causa-lo. Fazer massagem na área e depois do banho passar a toalha em cima dela para retirar o excesso de pele e facilitar que ela estoure com a mamada é indicado.

Amamentar o bebê em outras posições como posição cavalinho ou laid back position pode ajudar a removê-la. Caso, sozinha não seja possível eliminar, é preciso consultar um médico para ajudar a remover.

14. Eczema no mamilo

O eczema se caracteriza por uma lesão na pele do mamilo com vermelhidão, descamação, engrossamento, bolhas e lesões de raspagem. Geralmente a mãe já teve o problema em outras áreas do corpo e ele é apenas a manifestação de algo pré-existente.

As vezes o contato com sutiã, sabonete, pomadas ou hidratantes podem causar o problema.

O tratamento pode ser intermitente durante meses pois, assim que acaba o medicamento, ele pode voltar. Quando o eczema não responde ao tratamento é preciso investigar doença de Paget. No caso da mãe estar com eczema, é preciso consultar um médico para definir o melhor tratamento.

15. Hipogalactia

A maioria das mães acham que não tem leite suficiente e que não produzem leite suficiente. Geralmente não produzir leite suficiente de fato, esta associado a poucas e raras situações.

Em grande parte dos casos a sensação da mãe de não ter leite tem mais a ver com insegurança materna, expectativas de que o bebê mamasse menos vezes (e ele mama muito e é normal), expectativa que o bebê passe pouco tempo no peito (e as vezes ele passa bastante tempo e é normal), o choro do bebê (outra situação comum e normal) entre várias outras situações que na verdade não fazem muito sentido.

A baixa produção de leite sem que haja um fator físico na mãe pode ser desencadeada pela uso de bicos artificiais, determinação de horários para mamadas e uma pega inadequada. Tudo isso pode ser resolvido, leia mais sobre isto aqui: o ciclo de problemas: chupeta, mamadeira e baixa produção de leite.

E veja aqui como evitar isto: Como aumentar a produção de leite materno e 6 dicas para aumentar o leite materno

Causas reais de hipogalactia:

Hipotireoidismo: somente quando a doença não esta sendo tratada. Quando há tratamento de reposição dos hormônios das tireóide, a produção de leite acontece normalmente.
Retenção de placenta: geralmente quando há uma retenção de placenta, a baixa produção de leite é um dos primeiros sintomas.
Agenesia do tecido mamário: Algo raro. Quando as mamas são hipoplásicas a produção de leite pode ser baixa.
Síndrome de Sheehan: Causada pela necrose da hipófise por falta de perfuração durante o parto, devido a perda de sangue. A síndrome completa é rara, mas a hemorragia pós-parto foi associada a uma diminuição da produção de leite de forma transitória.
Contraceptivos orais: anticoncepcionais que possuem estrogênio podem diminuir a secreção de leite, por isso, habitualmente o recomendando é o anticoncepcional que não contenha este hormônio. Falei sobre isto aqui: Pode tomar pílula do dia seguinte amamentando? E anticoncepcional comum?
Mamoplastia:
as vezes uma cirurgia mamária mal executada por causar uma baixa produção de leite materno, na maioria dos casos quando a cirurgia preserva as glândulas mamárias, ela não é um problema. Veja mais sobre isto aqui: Mamoplastia e amamentação: é possível amamentar depois de uma cirurgia nos seios?
Déficit Congênito de prolactina: extremamente raro, foram relatados meia dúzia de casos no mundo inteiro.

16. Psoríase e Dermatite:

Estas condições da pele causam manchas vermelhas, saliências na pele que podem ser irritantes, que coçam ou dolorosas . Embora possa não ser confortável para você, essas questões não são prejudiciais para o seu bebê. Você pode continuar a amamentar se você sofre dessas condições.

17. Herpes

O vírus da herpes na mama pode aparecer como pequenas saliências vermelhas, cheia de líquido em bolhas que logo se transformam em feridas. Não se deve amamentar se houverem lesões herpéticas ativas nos seios. A herpes é extremamente perigosa para crianças. Assim que suas lesões secarem e sumirem, você pode amamentar.

Cuide de seu peito, você pode reconhecer todos os problemas potenciais de mama quando aprende sobre o que é normal para o seu corpo e examina seus seios regularmente. Se você notar algo que não parece normal ou não se sente bem, fale com seu médico imediatamente. É sempre melhor se antecipar aos problemas, mesmo descobrindo depois que não era nada do que esperar e descobrir que você deveria ter chamado um médico antes.

18. Seios com bicos planos, invertidos e curtos são um problema na amamentação?

Seios com bicos planos, invertidos ou pequenos não impossibilitam a amamentação se o bebê faz a pega correta (se não faz precisa corrigir com ajuda profissional caso os pais não consigam sozinhos) e se os pais não fazem uso de bicos artificiais como chupetas, mamadeiras e intermediários de silicone. No geral, não chega a ser um problema na amamentação, mas uma condição que se os pais estiverem bem informados, não se torna um problema.

É preciso desmitificar a idéia de que quem tem um tipo de bico diferente do protuso não consegue amamentar. Consegue sim. Veja mais sobre isto aqui: Tipos de mamas: há interferência na amamentação?

Leia também:

Bibliográfia: American Cancer Society. (2008). Non-cancerous breast conditions.
Lawrence, Ruth A., MD, Lawrence, Robert M., MD. (2011). Breastfeeding A Guide For The Medical Profession Seventh Edition.  Mosby.
Riordan, J., and Wambach, K. (2014). Breastfeeding and Human Lactation Fourth Edition. Jones and Bartlett Learning.
Smallwood JA, Kye DA, Taylor I. Mastalgia Ann R Coll Surg Engl 1986 Sep;68(5):262-263
Wilson-Clay B, Hoover K. (2002). The Breastfeeding Atlas.
González, Carlos. Manual Prático de Aleitamento Materno – São Paulo: Editora Timo, 2014.

Deixe um Comentário

comments