Normas de segurança para cama compartilhada

5 min


1.3k shares
Normas de segurança para cama compartilhada
Normas de segurança para cama compartilhada

Nos últimos tempos a cama compartilhada vem sendo difundida como uma opção que ajuda os pais e por isso é importante falarmos sobre as normas de segurança para cama compartilhada para desmitificar o assunto.

Desde pessoas falando que é um perigo para o bebê até outras comentando a respeito de acidentes isolados que ocorreram na cama compartilhada sem se perguntarem se as normas de segurança para cama compartilhada estavam sendo seguidas.

Então vamos a alguns dados:

Um estudo realizado por pesquisadores do Departamento de Neurologia da Universidade da California concluiu que a prática de co-sleeping torna o sono dos bebês melhor fazendo com que eles acordem menos a noite e diminui o risco de morte súbita, ou seja, é o contrário do que as pessoas dizem, a prática DIMINUI riscos.

Outros estudos afirmam que 70% das crianças que morreram por morte súbita, dormiam sozinhas em seus quartos e berços.

A cama compartilhada não é interesse de todos e nem todos se adaptam, para os que gostam da prática vale seguir as normas de segurança. Se informar a respeito é sempre bom e importante para tomar decisões conscientes.

Em minha casa praticamos uma cama “meio”- compartilhada, meu filho dorme no quarto dele na caminha no chão e quando ele quer vai para a minha cama ou quando me chama eu durmo no chão ao lado dele no quarto dele, mas isto costuma acontecer em momentos muitos específicos como a pouco tempo quando ele estava em adaptação na creche e me solicitou mais, nascimento de dentes, etc, no geral ele sempre dormiu a noite inteira desde os 3 meses.

Antes dos 3 meses ele dormia comigo seguindo todas as normas de segurança da cama compartilhada, quando passou a dormir noites inteiras foi para o próprio berço em seu quarto com babá eletrônica porque percebemos que ele dormia melhor ali (nossa cama é queen, mas não é tão grande assim para 3 e ele é bem espaçoso rs)

Co-sleeping é quando o bebê dorme em um berço acoplado a cama dos pais, de forma segura, ou no quarto dos pais em seu próprio berço.
Cama compartilhada é quando o bebê dorme na mesma cama que os pais, usando o mesmo colchão.

E quais são as normas de segurança para quem deseja praticar a cama compartilhada:

1. A cama deve ser segura.

E isto significa que o colchão pode estar no chão ou com grades nas laterais para que a criança não caia da cama durante a noite ou, a cama pode estar encostada na parede e o bebê ficar no canto. As grades laterais devem ser de estrutura entrelaçada para prevenir que o bebê role para fora da cama e seja especialmente cuidadosa acerca de não existir nenhum espaço entre o colchão e a guarda da cabeceira da cama ou a guarda dos pés da cama.

Observação: Algumas grades de segurança projetadas para crianças mais velhas não são seguras para bebês porque possuem espaços em sua estrutura que possibilitam a passagem de pequenos corpos ou que estes fiquem presos nelas.

2. Os lençóis ideais são os com elásticos nas pontas.

Que se ajustam adequadamente a cama e não ficam soltando e enrolando durante a noite.

3. Use um colchão grande.

Para ter espaço para todos na cama e ninguém ficar muito apertado.

4. Considere 0 uso do co-sleeping.

Que é um berço acoplado a cama onde o bebê tem seu próprio espaço, mas fique muito atenta a ele estar bem preso a cama para não criar um vão entre as duas camas. Veja aqui: Sono de bebê e co-sleeping: Dr. Sears explica os benefícios

5. Uso de substâncias

Se você usa medicamentos controlados, bebe, usa drogas ou fuma não pratique a cama compartilhada (regra válida para os pais também)

6. Obesidade

Se você é obeso e muito grande não pratique a cama compartilhada (regra válida para os pais também). Se o bebê rolar em sua direção e houver uma inclinação ou depressão grande no colchão ou se você suspeita de qualquer outra situação de perigo, aja com segurança e use o co-sleeping ou acomode o bebê em um berço ao lado da sua cama.

7. Evite muitos cobertores e edredons na cama.

Use tamanhos adequados e a quantidade necessária. O ideal é que o bebê não seja coberto e sim, que use roupas adequadas e quentinhas nos dias mais frios ou sacos de dormir para bebê que impedem que ele escorregue para baixo dos cobertores.

8. O bebê deve ficar sempre ao lado da mãe e não no meio da cama.

A mãe possui consciência instintiva de localização noturna do bebê, diferente do pai e dos irmãos ou qualquer outra pessoa da família. Se a mãe percebe que não consegue acordar com fungadas, pequenos roncos e movimentos do bebê e que tem o sono profundo acordando apenas com choros altos, considere usar o co-sleeping (berço acoplado a cama) em vez do bebê na mesma cama que você.

9. Cuidado com as roupas que você usa para dormir.

Cordões, fitas ou jóias podem ser um risco em uma cama compartilhada.

10. Cuidado com cabelos longos demais.

Os prenda para dormir, perfumes e loções fortes que podem irritar o bebê.

11. Animais domésticos não devem fazer cama compartilhada junto com o bebê.

Se o seu pet insiste em ir para a sua cama e você não consegue mudar isto, considere o berço acoplado à cama em vez da cama compartilhada.

12. Nunca deixe o bebê sozinho na cama compartilhada.

A não ser que esta cama seja perfeitamente segura para ele, tal como um colchão firme no chão de um quarto à prova de criança, e somente quando você estiver por perto ou atenta. Se ele for tirar as sonecas do dia, considere colocá-lo em um local seguro como seu berço ou em sua própria cama no quarto (se ela for no chão como no método Montessori ou tiver as grades de segurança adequadas a idade).

13. Amamente.

Quando você amamenta seu ciclo de sono fica em estágios leves e você fica em alerta, além de quê você costuma dormir com os joelhos dobrados para cima evitando que o bebê escorregue para baixo.

Leia também:

Mitos da cama compartilhada:

O casal pode perder a intimidade: amiga, intimidade é uma coisa que vocês não terão por muito tempo, não importa onde o bebê durma e os conceitos vão mudar ao longo do tempo. Sexo pode ser feito em qualquer lugar da casa onde a criança não esteja presente, de dia ou de noite. E acredite, vocês irão precisar se programar em muitos casos e isso não tem nada a ver com a cama compartilhada mas sim com o fato de vocês serem pais.

A criança nunca mais irá querer ir para o seu quarto: eles crescem e abandonam o ninho. Você irá sentir falta disso depois, assim como depois da adaptação escolar eles entram correndo pra sala e sequer te dão tchau. Naturalmente com o tempo eles irão querer ir para o próprio quarto e querer ser “independentes”.

Risco de morte súbita e rolar sobre a criança: o artigo inteiro fala exatamente sobre as normas de segurança para se praticar a cama compartilhada, se você não for seguir as regras, não pratique a cama compartilhada e o risco de morte súbita se reduz em até 50% quando a criança dorme com os pais ou no mesmo quarto com berço acoplado à cama, bem como os riscos de engasgos e sufocamento porque os pais podem socorrer o bebê de forma muito mais rápida e estão mais atentos aos movimentos do bebê durante a noite.

E agora fiquem com a fofa da Mayum Bialik (atriz do seriado The Big Bang Theory, que sou fã) e adepta da cama compartilhada e criação com apego falando um pouco sobre o assunto. Você pode colocar a legenda em português nas configurações do vídeo.

 

A  Attachment Parenting International, tem um folheto de informações em português para segurança do sono infantil. Veja aqui: API Safe Sleep Portuguese
A UNICEF também tem suas recomendações de segurança, que são bem parecidas com as da API. Se você tiver interesse, pode acessar o folheto, em Português de Portugal.


Like it? Share with your friends!

1.3k shares

What's Your Reaction?

Uau Uau
2
Uau
Gostei Gostei
1
Gostei
Amei Amei
2
Amei
Ouwn Ouwn
1
Ouwn

Deixe um Comentário

comments

error: Este conteúdo é protegido pelas leis de direitos autorais, não copie, compartilhe. :)