Tempo de leitura deste artigo:3 minutos

Mulheres taxistas se organizam nas ruas para atrair outras mulheres como passageiras.

Na cidade do Rio de Janeiro, atualmente um adesivo rosa na traseira do carro é o sinal usado pelas taxistas para sinalizar para outras mulheres que aquele taxi é guiado por outra mulher. O movimento se chama Taxi Rosa Carioca, nasceu este ano e possui pelo menos 100 profissionais.

Em breve o movimento das taxistas lançara um aplicativo com o mesmo nome do grupo para que as chamadas de passageiras fiquem mais organizadas. Segundo uma das fundadoras, Dora Santos de 57 anos, a meta é ter cadastrado pelo menos mil profissionais mulheres taxistas. A idéia de ter um aplicativo surgiu porque o trabalho no atendimento as passageiras será facilitado e ficará mais organizado.

As mulheres que já foram atendidas pelo serviço comemoraram porque se sentem mais seguras quando uma outra mulher esta no volante do carro, diminuindo os riscos de abusos verbais ou físicos. Vai dizer que você nunca se sentiu muito mais segura quando entrou em um táxi e percebeu que quem estava no volante era outra mulher?

Leia também:

A taxista Denise Azevedo, de 49 anos, que também ajudou a fundar o movimento, conta que as reações das mulheres ao perceberem que é uma outra mulher dirigindo, são sempre positivas:

Já teve mulher que entrou, me viu no volante e falou: ‘Que bom que é uma mulher. Estou atrasada para um compromisso! Vou trocar de roupa aqui então’. Se sentem mais à vontade para se maquear, conversar.

Indo mais longe…

O movimento pretende ir mais longe ainda, em janeiro, por meio de uma petição virtual elas pedem que sejam reservados 10% das autonomias de táxi para motoristas do sexo feminino. A proposta já se tornou um projeto de lei, que determina que o percentual seja alcançado em até 5 anos. No entanto, o projeto ainda não tem data para ser votado na Câmara Municipal.

Enquanto isso você pode conferir a fanpage das Taxistas Rosa Carioca no facebook para conhecer e usar o serviço caso você more nas mediações de atendimento do movimento no Rio de Janeiro. Alô, taxistas paulistas e outros estados, que tal? Melhor ainda, Alô Uber, cadê a mulherada no volante também?

Via: Extra Globo
Imagem de capa: Foto Reprodução – Ana Clara Veloso

Deixe um Comentário

comments