Tempo de leitura deste artigo:4 minutos

Uma mãe empreendedora tem o espírito necessário para o trabalho. O espírito empreendedor esta em constante movimento buscando possibilidades, com a cabeça a mil por hora pensando em soluções e muitas delas, bem criativas.

Quer mais movimento, busca de possibilidades e chances, cabeça a mil e busca incessante por soluções do que uma mãe empreendedora?

O Babson College define empreendedorismo de uma forma abrangente como “uma maneira holística de pensar e de agir, sempre com obsessão por oportunidades e balanceada por uma liderança”.

O espírito empreendedor de uma mãe empreendedora é arrojado, inovador e se antecipa a tendências de mercado se alinhando com a definição de empreendedorismo do Badson College.

Afinal de contas, quem é a mãe empreendedora?

A mãe empreendera é a descrição completa do que é um empreendedor:

“Aquele que faz acontecer, antecipa-se aos fatos e tem uma visão futura da organização” (Dornelas, 2001). Ser empreendedor é muito mais do que criar um negócio comum e tocá-lo como a maioria.

Empreender significa também desconstruir uma ordem econômica existente com novos produtos e serviços, estabelecendo assim novas formas de organização utilizando também novos recursos e materiais, ou seja, a inovação é a chama acessa que move a mãe empreendedora em todos os aspectos de seu empreendimento.

Incansável e voraz buscadora de oportunidades dentro do seu segmento. A mãe empreendedora é capaz de explorar e criar novas formas de atuação em campos já habitados, mas ela consegue abrir novos caminhos ali porque enxerga a frente de muitos outros.

Um espírito empreendedor é movimento permanente.
É chama acessa. É busca constante, é inquieto.

Um espírito empreendedor rompe determinadas ordens estabelecidas, atinge metas altas de criatividade e inovação, porém esta no topo em Know-How e business. Existem 3 tipos de empreendedores, segundo Bolton (1997):

  1. Empreendedor de Negócios: Aquele que identifica novas oportunidades de negócios, planeja e constrói novas empresas. Ele não é necessariamente o “dono” do negócio.
  2. Empreendedor interno: Ele não é dono do negócio, mas promove mudanças dentro do seu ambiente de trabalho, reinventa a empresa e seus negócios. Também conhecido como empreendedor corporativo, empreendedor organizacional.
  3. Empreendedor comunitário ou social: Promove mudanças, reúne recursos e constrói em benefício da comunidade de forma voluntária.

Segundo uma pesquisa feita pela Endeavor, os empreendedores são geradores de emprego e 74% desse empreendedorismo é a base da criação de riqueza e beneficia a todos nós.

Falando sobre a mãe empreendedora:

As mulheres estão levando uma vantagem enorme em relação ao homens no quesito empreendedorismo. O perfil das empreendedoras geralmente é o provedor, que é composto principalmente por mulheres mais velhas, com baixa escolaridade e renda pessoal, que precisaram empreender para sustentar a família. Geralmente elas são engajadas por eventos locais e pela comunidade que participam.

A mãe empreendedora não encontrou uma forma de conciliar os horários do trabalho formal com a criação dos filhos, principalmente por não ter flexibilidade de trabalho junto a empresa e resolveu iniciar uma jornada empreendedora para conseguir acompanhar a criação dos filhos de perto e ainda assim conseguir renda que a mantenha ativa profissionalmente.

As mulheres tem um espírito empreendedor interessante porque percebem as necessidades do mercado de forma mais abrangente, principalmente em questões relacionadas a filhos, educação e alimentação.

Leia também:

Você é empreendedora?

Riscos de se empreender: Incertezas em relação a renda, possibilidades de falência, possibilidade de sofrer um fracasso pessoal, insegurança no trabalho, gasto de muita energia pessoal e tempo.

Razões para empreender: falta de emprego atrativo e flexibilidade do mesmo após a maternidade, oportunidade de negócios, independência para escolher local e horário de trabalho, melhor perspectiva de renda e oportunidade de ganhar mais, independência pessoal e auto realização.

Se você tem consciência dos riscos e razões para empreender e ainda assim se sente chamada a iniciar um projeto empreendedor, não importa os motivos, desde a maternidade que já comentamos ser uma grande impulsionadora de empreendedoras no mercado, ou a possibilidade de realizações profissionais, você tem espírito empreendedor!

 

 

Deixe um Comentário

comments