Tempo de leitura deste artigo:4 minutos

A icterícia do leite materno não é um motivo para interromper a amamentação

Icterícia do leite materno é um fenômeno raro em bebês e afeta apenas 0,5 a 2,4% dos bebês, não oferecendo riscos ou perigo a saúde do bebê.

O que é icterícia do leite materno?

Primeiro é importante saber o que é icterícia: a icterícia é quando o pele e olhos do bebê (a área branca) fica com uma cor amarelada. Ela costuma acontecer na primeira semana de vida do bebê e as vezes se torna persistente ou reaparece algum tempo depois, até a sexta semana de vida em bebês amamentados com leite materno.

A icterícia persistente e comum não é a mesma que a Icterícia do leite materno.

Se o bebê apresentar sintomas de icterícia deve ser avaliado imediatamente pelo pediatra para ter certeza de que não é nada grave. Geralmente o problema passa sozinho, mas caso seja persistente precisa de tratamento.

Quando uma icterícia grave não é tratada, podem ocorrer problemas mais sérios como perda auditiva e danos cerebrais.

Sintomas da Icterícia:

  • Sonolência ou apatia
  • Baixo ganho de peso
  • Cor amarelada na pele e branco dos olhos

Como acontece?

Quando o bebê nasce, seus números de glóbulos vermelhos são altos e seu corpo começa a eliminar os glóbulos vermelhos que envelhecem após o nascimento. Durante este processo, a bilurrubina é produzida. Este pigmento é amarelo e é o que causa a coloração amarelada da pele e olhos do bebê.

O fígado começa então um processo de maturação que fragmenta o pigmento e o remove na urina e fezes do bebê.

Isto significa que quanto mais o bebê mamar, mais rápido sua icterícia vai passar. Bebês que não estão consumindo um nível satisfatório de leite materno podem ter dificuldades para excretar a bilirrubina e isto pode aumentar os níveis de icterícia.

Bebês que estão mamando satisfatoriamente e ainda assim apresentam a icterícia, são os que chamamos de icterícia do leite materno. Sua causa é desconhecida e a suposição é a de que o leite materno pode bloquear as proteínas no fígado responsáveis pela quebra da bilirrubina.

Qualquer bebê que mama no peito pode apresentar a icterícia do leite materno e existem poucos fatores de risco associados a este tipo de icterícia.

Se a icterícia for persistente, os médicos farão exames de sangue para definir os níveis de bilirrubina e serão estes resultados que irão indicar a gravidade do problema ou não.

Precisa parar de amamentar?

A amamentação deve continuar normalmente e geralmente a icterícia passa em algum tempo. Por se tratar de um problema temporário, a icterícia não deve impedir que o bebê receba os benefícios do leite materno. No entanto, é preciso que o problema seja monitorado pelo pediatra do bebê.

Quando se apresenta de forma leve, um bebê com icterícia não precisa ficar internado e pode ser monitorado de casa pela mãe com acompanhamento do pediatra.

A icterícia grave é frequentemente tratada com fototerapia no hospital. O bebê é mantido sob as luzes com óculos de proteção por um ou dois dias. As luzes alteram a estrutura das moléculas de bilirrubina, o que permite que seja excretada rapidamente na urina e nas fezes.

Se os componentes do leite forem a única razão da icterícia, ela irá desaparecer rapidamente com a própria amamentação ou fototerapia. A icterícia que persiste após a sexta semana de vida, apesar do tratamento, pode ser causada por outras doenças e precisa ser investigada.

Leia também:

Referências:

Deixe um Comentário

comments