Tempo de leitura deste artigo:6 minutos

A depressão pós-parto (DPP) é uma doença comum que afeta cerca de 10% a 15% de todas as mães.

A depressão pós-parto afeta a saúde da mãe, pais e pode ter efeitos duradouros sobre o crescimento da criança, levando a atrasos no desenvolvimento e problemas sociais. Ela pode ser tratada com medicação ou com diferentes tipos de aconselhamento.

Todas as mães estão sujeitas a ter depressão pós-parto, principalmente aquelas que tinham muitas expectativas em relação ao seu tipo de parto e amamentação e se sentiram frustradas por não alcançarem seus objetivos de plano de parto. Ainda aquelas com histórico familiar de depressão ou que tiveram depressão antes da gravidez ou já fazem tratamento contra a doença.

Depressão pós-parto na UTI

Ter um bebê prematuro na UTI é estressante para uma família, e pode facilmente tornar-se esmagadora.
Mães de prematuros têm um enorme trabalho emocional pela frente.

Elas devem curar-se simultaneamente do parto e lamentar a perda do fim da gravidez e as expectativas de nascimento idealistas. Precisam se relacionar com um bebê que pode ser muito pequeno ou doente para sequer tocar. Enquanto elas estão se apaixonando por seu bebê, equilibram a balança emocional com a esperança de um futuro saudável para seu bebê.

Ter um bebê prematuro é emocionalmente difícil, não é surpreendente que as mães de prematuros possuem duas a três vezes mais probabilidades de sofrer de depressão pós-parto do que outras mães.

Mães de bebês que nasceram prematuros parecem ainda mais propensos a ter DPP do que mães de bebês que eram apenas moderadamente prematuros. Se seu bebê nasceu cedo, então descobrir os sintomas da depressão pós-parto e quando pedir ajudar pode ajudá-la a obter tratamento precoce e minimizar os efeitos duradouros da DPP.

Sintomas da depressão pós-parto

A maioria das mulheres tem algum tipo de baby blues nos dias ou semanas depois de ter um bebê. Mudanças de humor, choro ou tristeza, perda de apetite e problemas para dormir são todos normais. O Baby Blues geralmente dura 2 semanas ou menos, e pode ser causado pelas mudanças hormonais que a mulher passa por ter um bebê.

A depressão pós-parto é mais duradoura e mais grave do que baby blues.

Se o baby blues dura mais de 2 semanas ou se você tem quaisquer sintomas mais graves, então você pode ter depressão pós-parto.
Os sintomas da depressão pós-parto incluem:

  • Choro ou profunda tristeza
  • Problemas de concentração
  • Dificuldades em tomar decisões
  • Sentimentos de fracasso
  • Falta de interesse no bebê
  • Pensamentos de ferir a si mesmo ou o bebê
  • Pensamentos de suicídio

Quem você pode ajudar na DPP?

Se você tem sintomas de depressão pós-parto, é importante para você pedir ajuda imediatamente. A depressão pós-parto é uma doença grave que pode ter consequências duradouras para você, seu filho e sua família.

Há muitos lugares diferentes que você pode pedir ajuda se você acha que pode ter depressão pós-parto. Seu obstetra é um bom lugar para começar. Você também pode procurar qualquer unidade de saúde mais próxima a sua casa para um atendimento emergencial.

Como é tratada a depressão pós-parto (DPP)?

Muitas opções de tratamento diferentes foram estudadas para a depressão pós-parto. Converse com o médico ou profissional de saúde mental responsável pelo seu atendimento para encontrar a opção que funciona melhor para você.

Alguns dos tratamentos disponíveis incluem:

Medicação: Existem muitos medicamentos antidepressivos que são eficazes no tratamento da depressão pós-parto. Zoloft (sertralina) e Paxil (paroxetina) são dois que são considerados relativamente seguros durante a amamentação.

Psicoterapia: Psicoterapia ou terapia são especialmente para ajudar os pacientes com problemas emocionais. Psiquiatras, psicólogos e alguns assistentes sociais, conselheiros e enfermeiros de prática avançada podem realizar psicoterapia. A psicoterapia pode ser usada sozinha no tratamento de formas mais leves de depressão e pode ser usada em conjunto com medicação ou outros tratamentos biológicos para depressões mais graves. A psicoterapia pode ser feita individualmente ou em grupo.

Terapia cognitivo-comportamental (TCC): A terapia comportamental cognitiva é um modelo de psicoterapia que ajuda as pessoas a entenderem como os pensamentos influenciam os sentimentos e o comportamento e é frequentemente usada no tratamento de depressão e transtornos de ansiedade.

Terapia de grupo: é um tipo de terapia onde os terapeutas trabalham com várias pessoas ao mesmo tempo. Terapia de grupo para a depressão pós-parto pode ter certas vantagens, incluindo o apoio dos pares e educação em torno de questões parentais e pós-parto. Principalmente quando estas terapias de grupos são feitas em rodas de conversa entre mães mediadas por um profissional da área.

Cuidar de si mesmo fisicamente, mentalmente e emocionalmente é uma das coisas mais importantes que você pode fazer para seu bebê e sua família. Lembre-se que você não está sozinha e há muitas maneiras de encontrar ajuda se você tiver depressão pós-parto.

Leia também:

Fontes: Bledsoe, S. & Grote, N. “Treating Depression During Pregnancy and the Postpartum: A Preliminary Meta-Analysis.” Research on Social Work Practice. March 2006: 16, 109-120.
Vigod, S., Villegas, L., Dennis, C-L, and Ross, L. “Prevalence and Risk Factors for Postpartum Depression Among Women With Preterm and Low-Birth-Weight Infants: A Systematic Review.” British Journal of Obstetrics and Gynaecology. January, 2010: 540-551
Lefkowitz, D., Baxt, C., and Evans, J. “Prevalence and Correlates of Posttraumatic Stress and Postpartum Depression in Parents of Infants in the Neonatal Intensive Care Unit (NICU).” Journal of Clinical Psychology Med Settings. July 2010; 17, 230-239.
Womenshealth.gov. “Depression During and After Pregnancy Fact Sheet.”

Deixe um Comentário

comments