Tempo de leitura deste artigo:6 minutos

É certo que a grande maioria das mulheres são capazes de produzir leite, no entanto elas estão sempre em busca de informações a respeito de como aumentar o leite materno.

Até mesmo mães adotivas podem produzir leite e amamentar através de estímulos e acompanhamento profissional. No entanto, mães pensam o tempo inteiro que sua produção de leite não é suficiente ou que elas não tem leite.

Para o leite “secar” como muitas pensam, o corpo leva pelo menos 40 dias e isto só acontece se não houver nenhum estímulo de sucção. A ocitocina é responsável pela ejeção do leite materno e a prolactina pela sua produção, a ocitocina é produzida pelo cérebro quando se esta relaxada e confiante sobre a amamentação, períodos de stress intenso e dificuldades emocionais, podem causar uma dificuldade da ejeção do leite (não de sua produção) e confundir muitas mães sobre ter ou não leite, mas esta condição pode ser temporária e não significa que seu corpo não esteja produzindo leite, apenas que existe uma dificuldade momentânea para ejetar este leite, facilmente resolvida com apoio, incentivo, confiança e em raros casos mais complexos, acompanhamento profissional.

Leia também:

Veja 3 valiosas dicas para que sua produção de leite esteja sempre em dia e você não precise usar fórmulas mágicas que nunca funcionam para saber como aumentar o leite materno:

1. Amamente em livre demanda

A livre demanda significa que durante o período da amamentação, principalmente nos primeiros meses que é quando a produção de leite esta se estabelecendo, não se deve definir horários de mamadas, ou seja: sempre que o bebê solicitar, você atende esta solicitação do bebê e amamenta ou sempre que você achar que o bebê esta a muito tempo sem mamar e não pede, também amamenta. Alguns bebês recém-nascidos mamam de 40 em 40 minutos e as vezes isto não é porque o leite não esta sustentando e sim porque este é o ritmo normal de amamentação para bebês novinhos, pois o estômago deles é pequeno demais e se esvazia rapidamente. Outros dormem demais e demoram muito tempo para mamar, se isto estiver interferindo no ganho de peso do bebê nos primeiros meses, você passa a oferecer o peito para o bebê dorminhoco mais vezes durante o dia e a noite.

Quando a mãe sente que realmente seu corpo não esta produzindo como deveria, ela primeiro precisa buscar as causas desta situação, se o bebê mama bem, sem horários definidos e não usa nenhum tipo de bico artificial, é muito difícil que a mãe tenha um problema de baixa produção de leite, mas se isto acontecer, é importante tentar encontrar os motivos e resolvê-los: muito estresse? muito cansaço? o bebê tem ido pouco ao peito? o que o faz ir menos do que deveria ao peito?

Será confusão de bicos por causa da chupeta ou mamadeira?

Veja aqui: Como retirar a chupeta do bebê gentilmente e sem sofrimento

E veja aqui como oferecer o leite ao bebê sem usar a mamadeira: como descongelar e oferecer leite ao bebê

Fez cirurgia de redução de mamas? (lembrando que a redução de mamas não é um fator que impede a amamentação, mas em alguns casos a mãe precisa de acompanhamento profissional principalmente para aumentar sua confiança e para o profissional acompanhar o processo garantindo a ela que esta tudo certo) Pensar nisto pode ajudar a desvendar alguns motivos e principalmente: sempre pedir ajuda.

2. Quanto mais o bebê mamar, mais leite você irá produzir

Em casos onde a baixa produção de leite materno é constatada de fato por fatores como o uso de bicos artificiais, horários determinados de mamadas e outras questões que acabaram interferindo na boa produção, é importante eliminar os agentes causadores da baixa produção (no caso de bicos artificiais) e você poderá ordenhar com alguma frequência as mamas para ajudar a produzir mais leite, a ordenha pode ser feita tanto manualmente quanto com uma bomba de extração para estimular o peito.

Principalmente para mães que os bebês precisam estar na UTI ou mães que voltam ao trabalho, a bomba de extração se torna um utensílio bastante útil. No caso, a ordenha pode ser feita sempre que o bebê deveria estar mamando e não esta, ou nos intervalos de mamadas do bebê, como por exemplo:

  1. Se o bebê tem dificuldade em pegar o peito, para manter a produção até que o bebê aprenda a fazer a pega corretamente, ordenhe as mamas e ofereça este leite ordenhado para o bebê no copinho, além de continuar oferecendo o peito.
  2. Se o bebê esta internado e não pode ou consegue mamar.
  3. Se a mãe volta ao trabalho a ordenha é importante para armazenar leite e para estimular a produção.
  4. Se o bebê passa um período doentinho e mama menos, a ordenha também poderá manter e estimular a produção.
  5. Se o bebê esta fazendo alguma greve de mamadas (as vezes isto acontece, principalmente no nascimento dos dentes e nem sempre é um problema, logo tudo volta ao normal).

3. Confie em sua capacidade de nutrir seu filho, ainda que o mundo inteiro esteja contra você

Seja confiante, as vezes a questão não é falta de leite, mas sim falta de confiança, incentivo e apoio. Eu sei que é difícil lutar contra a corrente e ser a única a seguir um caminho, como se estivesse remando contra a maré, mas se for isso que você realmente quer, não deixe que ninguém te atrapalhe. A produção começa na cabeça: cabeça boa, relaxada e confiante sempre.

Entenda que apesar de nos primeiros meses o peito ficar bem duro e cheio, este não será o seu estado durante todos os outros meses, depois de uns 2, 3 meses (período onde existem as maiores queixas da sensação de baixa produção) o seu corpo irá ajustar a quantidade de leite que precisa produzir para a demanda do bebê e não terão mais excessos, o que significa que o peito vai ficar macio e mais “murcho” que o habitual, mas isto não tem nada a ver com falta de leite.

Deixe um Comentário

comments