Tempo de leitura deste artigo:3 minutos

A apojadura de leite costuma dar o ar da graça na vida materna pouco depois do parto e apesar de ser um pouco incômoda, não configura um problema de amamentação.

Apojadura de leite é quando o seu corpo entende que seu bebê já nasceu e passa da produção do colostro para a produção do leite intenso e em maior quantidade.

Quando o bebê nasce, a mãe produz o colostro, que vai sustentá-lo e protegê-lo na entrada ao mundo com todos os seus benefícios e anticorpos. Saiba mais sobre o colostro aqui: Colostro também é leite, sustenta e é conhecido como a vacina da natureza para o bebê

Logo após o bebê consumir o colostro e com seu estímulo de sucção, o corpo passa pelo processo de apojadura de leite.

As mamas ficam cheias, duras, quentes e pesadas. Há uma sensação de incômodo com a quantidade de leite sendo produzida nas mamas, mas o leite continua fluindo sempre que o bebê mama.

Este, apesar de ser um momento esperado e decisivo, também pode ser um momento bem incômodo e cheio de incertezas.

O momento da apojadura e descida do leite não deve ser confundido com um ingurgitamento mamário. A apojadura que tornam as mamas cheias e pesadas, pode evoluir para um ingurgitamento caso o bebê não esteja esvaziando corretamente a mama da mãe.

A melhor forma de estabelecer uma produção adequada para o bebê e evitar que o desconforto da descida inicial de leite dure por muito tempo, é fazer a livre demanda, oferecendo o peito para o bebê sempre que ele solicitar e caso o bebê demore a solicitar, pegando o bebê e oferecendo a mama mesmo assim.

Caso o bebê não esteja dando conta de esvaziar as mamas neste primeiro momento, massagens e ordenha do excesso de leite irão aliviar as mamas do peso e quantidade de leite.

Durante a apojadura as mamas ficarão quentes, pesadas, cheias de leite, endurecidas mas não haverá nem febre, nem dor e o leite continuará fluindo normalmente. Caso você sinta dor, tenha febre e o leite não esteja fluindo, pode ser que esteja passando por um ingurgitamento mamário ou mastite. E neste caso, buscar atendimento de uma especialista em amamentação é essencial.

Leia também:

 

Deixe um Comentário

comments